inclusão de arquivo javascript

 
 

Morre ex-presidente russo Boris Yeltsin

23 de abril de 2007 10h49 atualizado às 15h14

Boris Yeltsin em foto de arquivo de 1997. Foto: AP

Boris Yeltsin em foto de arquivo de 1997
Foto: AP

O ex-presidente da Rússia Boris Yeltsin morreu hoje, informou hoje o serviço de imprensa do Kremlin, a agência oficial do governo russo. "Yeltsin faleceu às 15h45 (8h45 de Brasília) no Hospital Clínico Central de Moscou por causa de uma progressiva insuficiência cardiovascular", disse à agência Interfax Serguei Mironov, chefe do Centro Médico do gabinete da Presidência russa.

» Veja fotos históricas de Yeltsin
» Confira a biografia do ex-presidente
» Era Yeltsin marcou nova Rússia
» Casa Branca lamenta morte de líder
» Gorbachev expressa suas condolências
» Gates expressa pêsames por Yeltsin
» Blair destaca papel de líder na Rússia

O ex-líder russo, cuja ascensão ao poder marcou o fim do comunismo, tinha problemas cardíacos e foi submetido a uma operação para a implementação de cinco pontes de safena em 1996. Ele completou 76 anos no dia 1º de fevereiro de 2007.

Boris Yeltsin foi eleito primeiro presidente democrático da Rússia em 12 de junho de 1991, quando a nação ainda era a mais importante das repúblicas da União Soviética. Em acordo com os líderes da Ucrânia e de Belarus, Yeltsin dissolveu a URSS em dezembro do mesmo ano.

Em agosto do mesmo ano, ele liderou os democratas a desafiar a junta de generais e burocratas do governo que depuseram Gorbachev em um golpe.

Yeltsin foi reeleito presidente da Rússia em 3 de julho de 1996. Em 31 de dezembro de 1999, Yeltsin surpreendeu o país e o mundo ao anunciar que estava abandonando o cargo antes do tempo, e propôs como seu sucessor o atual presidente, Vladimir Putin.

Condolências
O ex-presidente soviético, Mikhail Gorbachev, expressou suas condolências pela morte de Yeltsin, que foi seu adversário. "Dou minhas profundas condolências à família de um homem em cujos ombros repousaram muitas grandes obras para o bem do país e erros sérios: um trágico destino", disse o ex-líder soviético, citado pela agência Interfax.

Com agências internacionais

Redação Terra