inclusão de arquivo javascript

 
 

As profecias da Bíblia

13 de junho de 2003 16h28 atualizado às 16h38

O Apocalipse do Beato de Liébana. Foto: EFE

O Apocalipse do Beato de Liébana
Foto: EFE

No final do século XX, um grupo de matemáticos israelenses liderados por Eliyzhu Rips, especialista mundial em teoria de grupos (modelo em que se baseia a física quântica) afirmou ter descoberto o código secreto da Bíblia, graças à inestimável ajuda de um computador, sem o qual não teria sido possível. O código foi decifrado na versão hebraica do Antigo Testamento (Torá), eliminando os espaços entre palavras, e convertendo o texto em uma única fibra de 304.805 letras. A descoberta foi corroborada por matemáticos da Universidade de Harvard, Yale e da Universidade Hebraica e também verificada por um especialista em decodificação do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, além de anunciado na revista americana especializada Stadistical Sciencie.

O computador explora esta fibra em busca de nomes, palavras e frases codificadas. Começa pela primeira letra da Bíblia e verifica todas as seqüências alternadas possíveis: palavras formadas por saltos de 1, 2, e 3 e até milhares de espaços. Depois repete a busca começando pela segunda letra, depois pela terceira, a quarta até chegar a última letra do texto. Como em um quebra-cabeça, a informação codificada pode aparecer de forma vertical, horizontal ou diagonal. Quando localiza uma palavra-chave, o computador se dedica a buscar informação relacionada a ela, que encontra geralmente no mesmo trecho do texto.

O jornalista norte-americano, de origem judaica, Michael Drosnin, declara: "Eu só apenas jornalista e não tenho nada de profeta, cientista ou estudioso da Bíblia"; no entanto, seduzido pela existência do código bíblico, publicou as descobertas feitas por Rips em seu primeiro livro, "O Código Secreto da Bíblia", de 1997. Naquela edição, Drosnin deu a conhecer uma série de feitos que afetariam o mundo, tanto no passado como no futuro, como a grande depressão econômica, as guerras mundiais, os assassinatos dos irmãos Kennedy e do primeiro-ministro israelense Isaac Rabin, entre outros, incluindo a data exata, o local e o nome dos assassinos.

À medida que os eventos aconteciam tal como apareciam codificados, o interesse de Drosnin aumentava, por isso se dedicou a aprender hebraico e estudar e comprovar o código durante anos. O resultado deste trabalho corroborado por Rips foi a publicação deste segundo volume do "Código Secreto da Bíblia", no qual se dão a conhecer os eventos que marcarão o fim da humanidade.

Para o "Fim dos Dias"
Neste novo livro, o que o código revela é uma série de fatos relacionados com a atualidade e que, segundo a mensagem cifrada recentemente revelada por Drosnin e Rips, adverte do fim dos tempos.

Mas, para o jornalista norte-americano, "se o código da Bíblia é real só pode ter um propósito: prevenir o mundo de um perigo terrível, inclusive definitivo". Segundo o autor, das conversações em Camp David promovidas pelo ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton e nas quais se reuniram o então governante israelense Barak e o líder palestino Arafat para avançar no lento processo de negociações diplomáticas entre Israel e a Palestina, os eventos que seguiram estão escritos no código da Bíblia em torno da frase o "fim dos dias". A eleição de Ariel Sharon como primeiro-ministro de Israel e George W. Bush como presidente dos Estados Unidos, até o atentado ao edifício do Pentágono e as Torres Gêmeas de Nova York, aparecem indicados ao redor dessas palavras.

Tanto as expressões "guerra mundial", como "holocausto atômico" e "fim dos dias" se encontram codificadas junto a "5766", o ano hebraico equivalente a 2006. A expressão "holocausto atômico" está codificada junto ao ano 1945, quando foi lançada a bomba atômica sobre Hiroxima, e também a 2006. "Mas o código da Bíblia nos adverte de possíveis futuros, não de um só futuro. Por isso podemos mudar o curso dos eventos, prevenir o desastre total. Acho que o código da Bíblia foi criado para prevenir-nos. O código foi descoberto agora, neste momento da humanidade, porque este é o momento preciso", diz o autor.

Os dois grandes Apocalipses bíblicos, o livro de Daniel do Antigo Testamento e o livro das Revelações do Novo Testamento, nos falam de um horror sem precedentes que será completamente revelado quando um livro secreto selado for aberto no "fim dos dias". Na Torá, ou seja, em um dos primeiros cinco livros que compunham anteriormente a Bíblia, encontramos o Final profetizado quatro vezes. Depois, também é predito no livro de Daniel, um anjo revela o futuro ao velho profeta e lhe diz: "Tu, oh Daniel, fecha as palavras e sela o livro até a chegada do fim dos dias".

Passado, presente e futuro
Na Torá se encontra tudo o que foi, é e será até o fim dos tempos, desde a primeira até a última palavra. E, não apenas em um sentido geral, mas até no mínimo detalhe de cada espécie e cada um de seus indivíduos, e até o detalhe de cada detalhe do que ocorre desde que uma pessoa nasce até quando deixa de existir. Como disse Einstein: "A diferença entre passado, presente e futuro é só uma ilusão, por mais persiste que seja...".

Este caráter de continuidade e unicidade é explicado por Eliyzhu Rips da seguinte maneira: "Posso imaginar uma inteligência que tenha existido ao longo dos tempos, para a qual o passado, o presente e o futuro são a mesma coisa. Assim, mesmo que você esteja se fazendo perguntas "agora" e busque as respostas em um livro escrito no "passado", do ponto de vista do codificador, tudo está acontecendo em um mesmo instante, inclusive o "futuro" que nos é revelado através do código".

Como já disse Isaac Newton, não só a Bíblia mas todo o universo é um "criptograma organizado pelo todo-poderoso". Assim, na atualidade, enquanto se está próximo de terminar de decifrar os eventos finais do mundo, outros códigos estão sendo descobertos pelo homem paralelamente, como o código genético do DNA. Assim como as imagens que o telescópio espacial Hubble nos enviou e que captam a luz próxima ao início do universo, o momento do teórico 'Big Bang'.

Parece que depois de seis mil anos de civilização humana estamos enfrentando finalmente os últimos mistérios da vida. Mas, por mais que estejamos à beira de descobrir tão fascinantes saberes, se o código da Bíblia está certo, é possível que tudo isso seja interrompido pela maior das hecatombes. Como diz o autor de "O Código Secreto da Bíblia", "é como se uma forma de bondade quisesse nos revelar tudo, e uma forma de maldade, nos destruir antes que o consigamos".

EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.