Sites relacionados
O novo papa

Fale conosco

 Notícias por e-mail
João Paulo II
Quarta, 6 de abril de 2005, 09h12 
Não há cardeal "in pectore", confirma porta-voz vaticano
 
Saiba mais
» Cardeal mexicano é a segunda baixa no conclave
» Vaticano avalia beatificação do Papa, diz jornal
» Cardeal de Roma tenta abafar curiosidade sobre novo papa
» Próximo papa decide beatificação de João Paulo II
» Papa é enterrado; 1 milhão assistem à missa
» Fiéis pedem a canonização de João Paulo
» Lula acompanha sepultamento do Papa
» 15 mil soldados patrulham Roma
» 7 mil assistem em telão na Notre Dame
» Fidel minimiza peso do Papa na queda do comunismo
» Números: o pontificado de João Paulo II
Multimídia
Animações
» Como se elege um novo papa
» Todos os papas do século XX
» Viagens de João Paulo II
Áudio e vídeo
» Cardeal lembra do amor do Papa aos jovens
» Reveja a última aparição pública do Papa
Sites relacionados
Externo
» Fotos: imagens do Papa
» Vídeo: imagens do Papa
» Troque mensagens no chat do Terra sobre João Paulo II
 Últimas de João Paulo II
» Religioso pede gravação do coração de João Paulo II
» João Paulo II será beatificado por milagre francês
» Carro de João Paulo II é vendido por US$ 690 mil
» Começam as audições para beatificar João Paulo II
O porta-voz do Vaticano, Joaquín Navarro Valls, confirmou hoje que não existe o nome do cardeal "in pectore", que o papa João Paulo II mantinha em segredo.

» Conclave para escolher novo papa começa dia 18
» Veja todas as fotos
» Veja todos os vídeos
» Especial: saiba como será a sucessão

O cardeal "in pectore" é uma figura de que fala o Direito Canônico. Trata-se de um cardeal nomeado pelo pontífice, mas cujo nome é mantido em segredo até que o papa, em pessoa ou através de um documento assinado por ele, o divulgue.

João Paulo II nomeou o cardeal "in pectore" em 21 de outubro de 2003, mas não revelou seu nome. Especulava-se que este cardeal pudesse ser o arcebispo polonês Stanislaw Dziwisz, que foi durante quase quarenta anos o secretário de Karol Wojtyla, primeiro na arquidiocese da Cracóvia e depois na Santa Sé.

Outra das hipóteses apontava que seria um membro da Igreja chinesa, onde os católicos ainda são mal tratados, ou russa, onde a relação do Vaticano com a Igreja ortodoxa de Moscou e com o próprio Executivo é delicada.

» Leia todas as notícias
 

EFE

Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.