0

Libaneses caminham de saltos altos contra violência à mulher

Evento tem o intuito de relembrar os assédios sofridos pelas mulheres diariamente no país

27 abr 2015
17h42
atualizado às 17h47
  • separator
  • comentários

Mais de 200 homens se uniram na cidade de Beirute, capital do Líbano, para participar do "Walk a Mile in Her Shoes", projeto internacional que quer ampliar a conscientização sobre todas as formas de violência contra a mulher. Foi a primeira vez que a iniciativa aconteceu em um país do Oriente Médio.

"Walk a Mile in Her Shoes": pela primeira vez evento ocorreu em um país do Oriente Médio
"Walk a Mile in Her Shoes": pela primeira vez evento ocorreu em um país do Oriente Médio
Foto: Mohamed Azakir / Reuters

Siga o Terra Notícias no Twitter

O evento, realizado no último domingo (26), juntou homens de todas as idades que percorreram uma milha (cerca de 1,6 km) usando sapatos de salto alto vermelhos.

Sapatos utilizados foram comprados em lojas especiais, que reverteram o dinheiro para para uma organização contra a violência e a exploração
Sapatos utilizados foram comprados em lojas especiais, que reverteram o dinheiro para para uma organização contra a violência e a exploração
Foto: Mohamed Azakir / Reuters

O objetivo era relembrar a violência, o assédio e os estupros sofridos pelas mulheres diariamente no país. Os sapatos utilizados na caminhada puderam ser comprados em lojas específicas, que reverteram o dinheiro arrecadado em doações à organização contra a violência e a exploração Kafa.

Além disso, os participantes também levaram cartazes e faixas com os dizeres "o silêncio esconde a violência" e "esmague a violência com os saltos altos", entre outros.

O projeto "Walk a Mile in Her Shoes" - cujo nome é inspirado em uma expressão em inglês que significa colocar-se no lugar de alguém - foi criado em 2001 pelo norte-americano Frank Baird.

Desde então, vários países organizaram esse tipo de evento.

Violência contra mulher Mutilação genital, apedrejamento e morte; saiba mais sobre a violência contra a mulher

Fonte: ANSA Brasil Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade