1 evento ao vivo

Keita é o mais votado nas eleições do Mali, segundo resultados parciais

30 jul 2013
15h04
atualizado às 15h31

O ex-primeiro-ministro malinês Ibrahim Boubacar Keita foi o candidato mais votado no primeiro turno das eleições presidenciais do Mali realizadas no domingo, segundo os resultados provisórios divulgados nesta terça-feira pelo ministro de Administração Territorial, Moussa Sinko Culibaly.

"Há um candidato que tem uma cômoda vantagem sobre o restante", disse Culibaly em referência a Keita. O ministro explicou que se o resultado parcial for confirmado não será necessário um segundo turno.

Em seu pronunciamento, o ministro não forneceu nenhum dado sobre a porcentagem de votos obtidos por Keita e os outros de candidatos à presidência, e se limitou a informar que até o momento um terço das cédulas depositadas pelos eleitores foi apurado.

Perguntado pelos jornalistas sobre as porcentagens de apoio recebidas, o ministro se limitou a insistir que Keita tem "uma cômoda vantagem".

Culibaly, que disse que os resultados definitivos poderiam ser divulgados entre hoje e amanhã, acrescentou que após Keita, candidato pelo partido Reagrupamento por Mali, estão situados Sumaila Cissé, da União pela República, e Dramane Dembelé, da majoritária Aliança pela Democracia no Mali (Adema).

O ministro, que calculou em 53% o índice de participação, ressaltou que os malineses "participaram massivamente" na jornada do domingo "com a vontade de deixar a crise para trás".

Segundo Culibaly, em Bamaco a participação chegou a 60% e, no exterior, em 10%.

Assim que os resultados foram divulgados, os simpatizantes de Keita, mais conhecido como "IBK", se concentraram na sede central de seu partido para comemorar o que já consideram uma vitória.

No caso de nenhum candidato obter mais de 51% dos votos, os dois aspirantes mais votados iriam para o segundo turno, previsto para 11 de agosto.

Essas são as primeiras eleições presidenciais no Mali desde o golpe de Estado de 22 de março de 2012 que pôs um fim na ordem constitucional.

EFE   
publicidade