PUBLICIDADE

Irã anuncia novos exercícios militares no Estreito de Ormuz

21 jan 2012 16h07
| atualizado às 16h55
Publicidade

O general Hussein Salami, vice-comandante dos Guardiães da Revolução, anunciou neste sábado o começo de uma nova rodada de exercício militares no Estreito de Ormuz, informou a agência oficial de notícias iraniana Irna.

Em declarações à Irna, Salami falou sobre a presença de tropas americanas na região e explicou que "este fato gera um clima de insegurança". "Esse fato cria uma situação de perigo. A República Islâmica do Irã utilizará os recursos políticos e de outro tipo" para sua segurança, ressaltou o vice-comandante.

No último dia 3 de janeiro, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas iranianas, o general Hassan Firuzabadi, assegurou o término das manobras desenvolvidas pela Marinha iraniana no Golfo Pérsico, mas reiterou que qualquer país que quiser atacar o Irã terá que pagar "um alto preço".

Neste mesmo dia, o comandante do Exército iraniano Ataolah Salehí, advertiu os Estados Unidos para não voltar a enviar sua frota ao Golfo Pérsico. A Armada iraniana concluiu no último dia 3 as manobras "Velayat 90", que foram iniciadas no dia 24 de dezembro de 2011 em águas do sul do país, entre o Estreito de Ormuz e o Oceano Índico, e nas quais foram testados com sucesso vários mísseis de curto e longo alcance.

No último dia 7, o Reino Unido chegou a enviar um destróier (porta-aviões) ao Estreito de Ormuz depois que Teerã ameaçasse a fechar a passagem à navegação. Quatro dias depois, no dia 11, o Pentágono anunciou a chegada de um segundo porta-aviões americano, o "Carl Vinson", que ficaria na zona de responsabilidade da V Frota americana, encarregada do Golfo Pérsico, o mar de Omã e o Mar Vermelho.

O Irã se encontra no meio de uma polêmica devido ao seu programa nuclear, que parte da comunidade internacional, principalmente os EUA, acredita que tem uma vertente militar destinada a fabricação de bombas atômicas. No entanto, as autoridades de Teerã negam essa afirmação e garantem que o programa é exclusivamente civil, com objetivos pacíficos.

Neste contexto, EUA e Israel ameaçaram o Irã com ataques para evitar o desenvolvimento de seu programa nuclear, uma ameaça que não pareceu assustar Teerã, que chegou a afirmar que poderia dar uma resposta "arrasadora".

Além de eventuais ataques contra o território de Israel e contra as bases e navios dos EUA na região, o Irã disse que, se sentisse em perigo iminente, fecharia o Estreito de Ormuz, uma medida que poderia resultar no desabastecimento de petróleo no mundo e gerar uma série de consequências imprevisíveis.

EFE   
Publicidade