inclusão de arquivo javascript

 
 

Boeing cai e mata todos os 88 ocupantes na Rússia

13 de setembro de 2008 22h22 atualizado em 14 de setembro de 2008 às 08h52

Um avião da companhia aérea russa Aeroflot caiu hoje em Perm, cidade perto dos Montes Urais, acidente no qual morreram seus 88 ocupantes, 83 passageiros e cinco tripulantes, informaram as autoridades da Rússia.

» Veja mais fotos dos destroços

"Ao se chocar contra o solo o avião explodiu e se incendiou. Essas circunstâncias não deixam nenhuma esperança que haja sobreviventes", disse à emissora de rádio Ekho Moskvy um porta-voz do Ministério da Rússia para Situações de Emergência.

Acrescentou que os restos do aparelho, um Boeing 737-500, ficaram espalhados em um raio de quatro quilômetros, muito perto de umas casas, em uma região dentro dos limites de Perm, cidade situada a 1,7 mil km ao leste de Moscou e que era seu ponto de destino.

"O avião caiu junto às ruas Sovietskaya Armia e Torpinski, no distrito Industrial de Perm. Pelo visto, os pilotos tentaram evitar um choque com as casas", disse.

Segundo fontes policiais de Perm citada pela agência oficial RIA Novosti, a causa do acidente pôde ter sido um incêndio em uma das duas turbinas do avião, que realizava o vôo regular 821 entre Moscou e Perm.

De acordo com essa versão, que ainda não foi confirmada, os pilotos do Boeing tentavam efetuar uma aterrissagem de emergência.

O contato com o aparelho foi perdido à 01h12 hora de Moscou (18h12 de Brasília do sábado) quando sobrevoava a uma altura de 1,8 mil metros, segundo declarou à agência "Itar-Tass" Irina Andrianova, porta-voz do Ministério de Situações de Emergências.

Vladimir Markin, porta-voz da Promotoria da Rússia declarou que no avião acidentado estavam 88 pessoas: 83 passageiros, deles sete crianças, e cinco tripulantes. Anteriormente, tinha sido informado que a bordo do avião havia um total de 87 pessoas.

O Boeing 737-500 já tinha iniciado a manobra de aterrissagem quando caiu em Perm, cidade de quase um milhão de habitantes.

O avião caiu sobre a linha férrea do Transiberiano, o que obrigou a suspender o tráfego no trecho Yekaterimburgo-Perm.

"O tráfego neste setor foi suspenso de maneira indefinida. Todos os trens que vão da parte ocidental do país para a Sibéria e Extremo Oriente tiveram que modificar suas rotas", disse um porta-voz policial a RIA.

As causas do acidente são desconhecidas, assim como as condições atmosféricas no lugar quando o aparelho chegava a seu destino.

Comissão irá investigar acidente
Fontes oficiais russas também não contam com informação sobre a possibilidade de que o Boeing 737-500 tivesse sido alvo de um ataque terrorista.

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, logo após ser informado da catástrofe aérea, ordenou a criação de uma comissão governamental liderada pelo ministro de Transporte, Igor Levitin, que se dirigirá nas próximas horas a Perm para investigar as causas do acidente.

A porta-voz do Ministério de Emergência disse que cerca de 300 especialistas trabalham no lugar onde o avião de passageiros caiu.

"Contamos com o pessoal e os recursos necessários na zona da tragédia. Em vista disso, enviaremos de Moscou a Perm apenas uma equipe de psicólogos do Ministério para atender aos familiares das vítimas", disse Andrianova.

O acidente em Perm é a maior catástrofe aérea russa desde agosto de 2006, quando um avião Tu-154 da companhia aérea Pulkovo, que realizava vôos entre as cidades russas de Anapa e São Petersburgo, caiu junto à cidade ucraniana de Donetsk quando tentava fugir de uma tempestade.

Nessa catástrofe morreram todos os ocupantes de avião: 160 passageiros e 10 tripulantes.

O aparelho acidentado em Perm pertencia a Aeroflot-Nord, filial regional da Aeroflot, que em sua frota contava com 10 aparelhos Boeing 737-500.

EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.