inclusão de arquivo javascript

 
 

Cinco anos depois, Columbine reza por época melhor

20 de abril de 2004 21h22

Parentes das vítimas fizeram vigília . Foto: AP

Parentes das vítimas fizeram vigília
Foto: AP

As aulas foram suspensas hoje no Colégio Columbine, e um singelo cartaz na parede anunciou "um tempo para lembrar, um tempo de esperança", para marcar o quinto aniversário do pior massacre já registrado em escolas norte-americanas.

Um soturno silêncio tomou conta da escola de Littleton, Colorado. Foi lá que em abril de 1999 dois adolescentes revoltados - Eric Harris, 18, e Dylan Klebold, 17 - invadiram a escola armados e mataram 12 colegas e uma professora, antes de se suicidarem. Outras 23 pessoas ficaram feridas, algumas em estado grave.

Uma vigília e uma cerimônia com velas foram marcadas para a noite de terça-feira no parque ao lado da escola. Durante o dia, não houve aula.

Tom Mauser, que teve seu filho Danny assassinado na biblioteca, chegou ao parque com lágrimas nos olhos. "Este é um dia muito duro", disse ele, que usava um broche com a foto de seu filho, o mesmo que ele exibiu em várias manifestações pela venda controlada de armas de fogo. "Apreciamos demais essa efusão de amor. É algo que tocou nossos corações", disse Mauser.

Os estudantes que estavam na escola e sobreviveram àquele ensolarado 20 de abril de 1999 já se formaram. Além disso, 80% dos funcionários já deixaram o Colégio Columbine, seja por aposentadoria ou outras razões, segundo as autoridades locais.

Um funcionário que permanece é o diretor Frank De Angelis. "Eu não teria suportado se tivesse saído", disse ele à rádio KOA, de Denver. Na época do massacre, De Angelis prometeu aos alunos que permaneceria no cargo "até que cada um de vocês atravesse o palco para receber o diploma".

Desde o massacre, escolas e delegacias de polícia passaram a dedicar mais atenção aos adolescentes revoltados e isolados, capazes de atos de agressão aleatórios.

Dave Thomas, promotor da região, disse hoje à CBS que os jovens que fazem ameaças estão recebendo mais atenção e continuam aparecendo em seu distrito. "Felizmente conseguimos intervir nestas situações, e acho que essa é a tendência nacional, porque estamos levando esse tipo de coisa muito mais a sério do que fazíamos antes de Columbine."

Reuters
Reuters - Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.