inclusão de arquivo javascript

 
 

China: fotos sensuais em destroços fecham revista

28 de maio de 2008 07h38 atualizado às 08h44

Capa da revista  New Travel Weekly  do dia 19 de maio. Foto: Reprodução

Capa da revista New Travel Weekly do dia 19 de maio
Foto: Reprodução

O governo chinês fechou uma revista que publicou um ensaio de fotos de modelos seminuas em meio aos destroços do terremoto que atingiu a província de Sichuan e deixou mais de 68 mil mortos.

» Revista faz fotos em destroços
» Os piores terremotos do mundo
» Número de mortos passa de 68 mil
» China detecta forte réplica

Na edição de 19 de maio, a revista The New Travel Weekly publicou um editorial de moda exibindo modelos em lingerie com bandagens ensangüentadas posando no meio dos prédios demolidos pelo terremoto.

A publicação circulava na cidade de Chongqing, vizinha da província de Sichuan, que foi a área mais afetada. As fotos chegaram às bancas na segunda-feira, 18 de maio, primeiro dos três dias de luto oficial anunciado pelo governo.

Críticas

O conteúdo enfureceu boa parte da opinião pública, que manifestou sua crítica em fóruns de discussão na Internet e em editoriais de jornais.

Num texto opinativo, o diário Shanghai Daily acusou a revista de se aproveitar da tragédia para fazer uma "jogada de vendas blasfemadora, imoral e intolerável".

O departamento local do governo de Chongqing, que supervisiona a imprensa, considerou o material extremamente ofensivo e decidiu fechar a revista para "retificações" na quarta-feira, 21 de maio.

As autoridades disseram que a publicação "violava severamente a disciplina de propaganda" e ia contra a "moral social". Além disso, segundo o governo, as fotografias tinham uma influência "extremamente má" sobre a sociedade.

Resposta

A revista colocou uma nota no seu site na Internet se desculpando pela gafe. "Nossos mais sinceros pedidos de desculpas ao povo", dizia o texto.

Segundo a agência de notícias estatal Xinhua, a empresa que administra a publicação demitiu o diretor, o editor-chefe e o vice-editor chefe da publicação.

O governo afirmou que poderá permitir que a revista volte a operar no futuro, argumentando que a redação inteira não deveria ser culpada pelo erro editorial de apenas alguns profissionais da chefia.

BBC Brasil
BBC Brasil - BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.