inclusão de arquivo javascript

 
 

Inseminação de transexual grávido foi feita em casa pela mulher

03 de abril de 2008 21h19 atualizado às 22h05

O transexual Thomas Beatie disse hoje que sua esposa, Nancy, foi quem realizou a inseminação artificial em casa, para que se sentissem "mais cômodos", depois que o casal sofreu um primeiro aborto no verão de 2007.

» Transexual grávido vai aparecer na TV

Beatie, que está no sexto mês de gravidez e espera uma menina, deu sua primeira entrevista em TV para o programa de Oprah Winfrey, na qual assegurou que decidiu contar ele mesmo sua história "antes que os meios de comunicação fizessem sensacionalismo com ela".

Criado no Havaí, onde sua mãe se suicidou quando ele tinha 12 anos, o entrevistado explicou que quando decidiu mudar de sexo, aos 24 anos, não quis retirar sus órgãos reprodutores femininos porque a "paternidade sempre foi seu sonho", e sabia que em algum momento "gostaria de ter filhos".

"Compreendo que minha situação pode ser surpreendente, mas é possível, e as pessoas têm que estar preparadas para aceitá-la porque a gravidez é só um processo e todo ser humano tem direito a decidir se quer ter filhos biológicos", acrescentou o transexual diante das perguntas de Oprah.

Durante o programa, foram exibidas imagens de sua vida cotidiana em sua casa em Bend, no Oregon (EUA), incluindo uma consulta médica na qual o futuro pai afirma: "Não posso acreditar que ela está dentro de mim, é um milagre!".

As duas filhas da esposa de Beatie, frutos de um casamento anterior, participaram do programa como convidadas, e afirmaram que sua futura meia-irmã crescerá feliz porque "terá pais maravilhosos que se amam muitíssimo".

A doutora Kimberly James, ginecologista que cuida do transexual, participou do programa por videoconferência e assegurou que não está preocupada com sua reputação, porque quando que conheceu o casal diz que sentiu que deveria tratar de sua saúde, já que "são leais e merecem cuidados médicos de qualidade, como todas as pessoas".

A médica descreveu o caso como "uma gravidez normal" e disse que o bebê "não corre perigo" pelo fato de o pai ter tomado testosterona durante anos, porque "agora seus níveis hormonais são completamente normais". O futuro pai disse se sentir seguro do que está fazendo porque "o que define uma família é o amor".

EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.