inclusão de arquivo javascript

 
 

Aeroporto obriga mulher a tirar piercing do mamilo

29 de março de 2008 03h07 atualizado às 03h17

A advogada Gloria Allred, à esq., e sua cliente Mandi Hamlin, mostram os piercings que Mandi teria sido obrigada a retirar com alicates . Foto: Reuters

A advogada Gloria Allred, à esq., e sua cliente Mandi Hamlin, mostram os piercings que Mandi teria sido obrigada a retirar com alicates
Foto: Reuters

A passageira americana Mandi Hamlin, 37 anos, diz que foi obrigada pela segurança do aeroporto de Lubbock, no Texas, a retirar dois piercings dos mamilos para poder embarcar em um vôo. Mandi exige um pedido de desculpas formal do governo americano por humilhação. As informações são do Jornal das 10.

» vc repórter: Mande fotos e notícias

Ao lado de sua advogada em Los Angeles, Gloria Allred, a passageira Mandi contou que ficou com medo. "Eu em senti envergonhada, supreendida, humilhada, assustada e com medo."

Mandi foi parada por funcionários responsáveis pela inspeção dos passageiros no detector de metais. Ela tentava embarcar em um vôo no dia 24 de fevereiro.

De acordo com a advogada, a americana foi orientada a remover os piercings com um alicate para garantir que os acessórios é que estavam disparando o alarme do detector. Caso negasse, seria impedida de embarcar.

Gloria diz que sua cliente sofreu tanto para retirar os piercings quanto com as risadas que escutou. "Enquanto Mandi sofria para tirar os objetos, atrás de uma cortina, ela podia ouvir vários funcionários do aeroporto - homens, a maioria - rindo e fazendo piadas sobre a situação".

Segundo o Departamento de Segurança Interna dos EUA, por meio de seu setor de segurança em transportes, disse que desde os ataques de 11 de setembro de 2001 a vistoria nos aeroportos foi intensificada. "Nossos funcionários são treinados para procurar por objetos suspeitos levados por passageiros, mas tratando todos com dignidade e respeito", afirmou o departamento em comunicado .

A advogada ainda afirmou que nunca ouviu falar que seios fossem armas.

O setor de segurança informou que o número de mulheres terroristas vem crescendo a cada ano.

Redação Terra