inclusão de arquivo javascript

 
 

Toscani defende campanha com modelo anoréxica

25 de setembro de 2007 06h05 atualizado às 07h59

Campanha com modelo francesa alerta para a anorexia. Foto: AFP

Campanha com modelo francesa alerta para a anorexia
Foto: AFP

Uma campanha publicitária que usa uma modelo anoréxica está roubando a cena na abertura da Semana Internacional da Moda de Milão. Os anúncios, expostos em jornais e outdoors italianos, mostram uma modelo nua sob os dizeres "No Anorexia" (Não Anorexia). A modelo é a jovem francesa Isabelle Caro, que pesa apenas 31 kg.

» Campanha alerta contra anorexia
» Saiba mais sobre transtornos alimentares

A campanha foi criada pelo italiano Oliviero Toscani, conhecido pelas polêmicas campanhas da Benetton nos anos 80 e 90 que usavam fotos abordando temas como aids, guerra e racismo. Em entrevista, Toscani defendeu a nova campanha, dizendo que, em contraste com o corrente no mundo da publicidade de moda, ela busca uma aproximação com a "condição humana".

"Toda a publicidade de moda e as revistas e os jornais de moda se afastaram dela, se tornaram abstratas, esvaziaram o ser humano. A gente olha essas campanhas e vemos o vazio, e dizemos a nós mesmo: essas pessoas são como garrafas vazias", diz Toscani.

A campanha, da griffe de moda Nolita, contou com o aval do Ministério da Saúde da Itália.

A luta contra a anorexia é uma das prioridades do governo do premier Romano Prodi. Hoje, cerca de 2 milhões de italianos sofrem da doença e de bulimia. A ministra da Saúde Lívia Turco afirmou, em nota oficial, que "uma iniciativa como esta é importante para abrir um canal de comunicação privilegiado com o público jovem, através de uma mensagem clara e capaz de chamar a responsabilidade para este drama".

Oliviero Toscani criou a campanha tendo em vista um público muito mais amplo do que os consumidores de moda. "A idéia não é uma campanha para o povo da moda, mas sim para quem olha para moda, para as meninas, as jovens, as estudantes, todos os públicos. O rei está nu", disse ele.

O fotógrafo, que já tinha abordado o tema em um filme que chegou a ser apresentado no festival de Locarno, acha que "a responsabilidade por este problema não é apenas do mundo da moda".

"Existem as mães, a família, a desilusão de quem não se identifica com a imagem projetada pela mídia. Uma garota vê uma foto de moda ou uma imagem da televisão e pensa consigo mesma: 'eu não poderia nunca ser assim', e assim tenta desaparecer, se auto-destruir, é um drama", afirmou Toscani.

Ele conta que não foi difícil encontrar uma menina anoréxica. "Eu a procurei como um diretor de cinema busca uma atriz para um filme." Mas vender roupa usando como imagem quem não tem como vesti-la não foi uma estratégia fácil de ser colocada no mercado. O principal jornal da Itália, o Corriere della Sera, se recusou a estampar a fotografia. A campanha também ficou longe das ruas da França, sendo vetada nos outdoors. "A justificativa era de que a imagem era imoral. Não somos, ainda, civilizados", afirmou Toscani.

Toscani acredita que, mesmo com a polêmica em torno da campanha, ela deve ter bons resultados.

"Acho que isso pode ser o começo de um novo ciclo de publicidade, vamos ver o que acontece. Não são tantos os clientes que possuem a coragem de fazer uma campanha como esta. Todos pensam que a comunicação publicitária deve ser falsa ou artificial, mas eu acho que se pode fazer algo interessante e tirar vantagens econômicas ao mesmo tempo", disse o fotógrafo.

BBC Brasil
BBC Brasil - BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.