0

"Volte a bordo!", disse Guarda Costeira a capitão de cruzeiro

17 jan 2012
11h18
atualizado às 14h18

A guarda costeira italiana pediu em vão ao capitão do cruzeiro italiano que afundou para que voltasse a bordo e vistoriasse a retirada dos passageiros, mas ele se recusou, informou um jornal italiano nesta terça-feira, referindo-se a um registro da conversa.

Francesco Schettino, 52 anos, era o comandante do navio Costa Concordia no momento do acidente
Francesco Schettino, 52 anos, era o comandante do navio Costa Concordia no momento do acidente
Foto: AP

Conheça o cruzeiro de luxo que naufragou na Itália

O Corriere della Sera colocou a gravação, que segundo informou foi registrada pela guarda costeira, em seu site na Internet. A informação está de acordo com relatos que vazaram nos últimos dias, desde que o Costa Concordia bateu em rochas na noite de sexta-feira perto de uma ilha no litoral oeste da Itália. Seis pessoas morreram e 29 continuam desaparecidas.

O capitão Francesco Schettino está preso, acusado de homicídio múltiplo, de causar o acidente e de abandonar o navio.

A seguir a transcrição do diálogo:

Comandante Gregorio De Falco da capitania do porto de Livorno: "Sim, eu sou De Falco de Livorno, falo com o comandante?"

Schettino: "Sim, boa noite, comandante De Falco".

De Falco: "Diga-me o seu nome, por favor".

Schettino: "Eu sou o comandante Schettino, comandante".

De Falco: "Schettino? Ouça Schettino. Há pessoas presas a bordo. Agora, vá com seu bote à proa do navio do lado direito. Há uma escada (de socorro) e suba a bordo. Você vai a bordo e nos diga quantas pessoas estão lá. Entendido? Estou gravando esta comunicação, comandante Schettino..."

Schettino: "Comandante, vou te dizer uma coisa..."

De Falco: "Fale mais alto. Coloque a mão na frente do microfone e fale mais alto. Entendido?"

Schettino: "Agora o navio está inclinado..."

De Falco: "Entendo. Ouça: há pessoas descendo pela escada de proa. Você deve passar por esta escada no sentido inverso, subir no navio e me dizer quantas pessoas estão lá e o que está acontecendo a bordo. Entendido? Você deve me dizer quantas crianças, mulheres e pessoas estão lá precisando de ajuda. E você me diga quantas pessoas há nessas categorias. Entendido?"

De Falco (em nova chamada): "Ouça Schettino, você talvez tenha conseguido se salvar do mar, mas aqui, as coisas vão ficar realmente ruins... Eu vou te causar muitos problemas. Volte a bordo, porra!"

Schettino: "Comandante, eu imploro a você..."

De Falco: "Não, eu é que imploro a você... Você tem que ir agora mesmo, volte a bordo. Você tem que me garantir que está voltando a bordo..."

Schettino: "Já estou indo para lá, já estou indo, não vou a parte alguma, estou indo..."

De Falco: "O que você está fazendo comandante?"

Schettino: "Vou para lá para coordenar os trabalhos de socorro..."

De Falco: "Quem está coordenando lá? Volte agora a bordo para coordenar o socorro a bordo. Você está se recusando? "

Schettino: "Não, não me recuso".

De Falco: "Você está se recusando a voltar a bordo? Diga-me por qual motivo você não vai para lá?"

Schettino: "Eu não estou indo para lá porque outro barco (bote de socorro) chegou..."

De Falco: "Volte a bordo, é uma ordem. Você não deve pensar em outra coisa. Você declarou o abandono do navio. Agora sou eu quem comanda. Volte a bordo! Entendido? Ouviu? Vá lá e entre em contato diretamente do navio. No local já há o meu socorro aéreo".

Schettino: "Onde está o seu veículo de socorro?"

De Falco: "Ele está na proa. Vá para lá. Já há corpos, Schettino".

Schettino: "Quantos?"

De Falco: "Eu não sei...Um com certeza, eu fui informado. É você que tem que me dizer quantos, caramba!!!"

Schettino: "Mas você se deu conta de que é noite e que aqui não vemos nada?"

De Falco: "O que você quer fazer, Schettino, voltar para casa? É noite, e por isso você quer voltar para casa? Volte para a proa do navio pela escada e me diga o que pode ser feito, quantas pessoas há lá, do que elas precisam. Agora!!"

Schettino: "Eu estarei com o segundo comandante" (no bote de socorro).

De Falco: "Voltem a bordo todos os dois. Você e seu segundo, voltem agora a bordo, entendido?"

Schettino: "Comandante, eu queria voltar a bordo, mas o outro bote aqui.. Há outros socorristas... Ele parou e está preso, eu chamei outros socorristas".

De Falco: "Você está me dizendo isso há uma hora. Volte a bordo agora, Volte A B-O-R-D-O !! E me diga já quantas pessoas estão lá".

Schettino: "Tudo bem, comandante"

De Falco: "Vá para lá imediatamente!!"

Não há indicação precisa sobre os horários em que as conversas acima ocorreram, mas segundo a capitania, o último contato entre o capitão e De Falco foi feito à 1h46 (22h46 de Brasília). Segundo testemunhas, o comandante foi para um rochedo às 0h30 e não voltou mais a bordo para comandar as operações de resgate que prosseguiram até as 6h00 da manhã, de acordo com os bombeiros.

Naufrágio do Costa Concordia
O cruzeiro Costa Concordia naufragou na última sexta-feira, dia 13 de janeiro, após colidir em uma rocha nas proximidades da ilha de Giglio, na costa italiana da Toscana. Mais de 4,2 mil pessoas estavam a bordo. Até a manhã de terça-feira, dia 17, seis mortes haviam sido confirmadas . Outras 29 pessoas seguiam desaparecidas: 25 turistas e quatro tripulantes. O Itamaraty informou que 57 brasileiros estavam a bordo do navio , mas não há indícios de que eles estejam entre as pessoas que ainda não foram encontradas.

Segundo as primeiras informações sobre as causas do acidente, o navio, que tem 290 metros de comprimento e 114,5 mil toneladas , margeava a ilha de Giglio quando bateu em uma rocha e começou a adernar. Houve pânico entre os passageiros, que reclamaram de despreparo da tripulação e luta por coletes salva-vidas . O comandante do Costa Concordia, Francesco Schettino, foi acusado de ter abandonado o navio . Ele nega , mas a empresa responsável pela embarcação se posicionou confirmando a negligência do capitão .

Veja no mapa o local onde aconteceu o acidente:

Com informações da agência Reuters

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

publicidade
publicidade