0

Ucrânia: manifestantes tomam casa de Yanukovich; presidente deixa Kiev

22 fev 2014
07h48
atualizado às 08h30
  • separator
  • comentários

Os manifestantes ucranianos tomaram neste sábado o controle de Mezhigorie, a residência de campo do presidente Viktor Yanukovich, localizada a cerca de 20 quilômetros de Kiev, e permitiram que vários jornalistas entrassem no imóvel, informou o Canal 5 da televisão local. A guarda da residência, que vigia o acesso ao lado de vários ativistas, afirmou que o local, propriedade de um funcionário do gabinete presidencial, poderá ser livremente visitada pelo público.

<p>Manifestantes fazem barricada em uma rua que leva a pr&eacute;dio do governo em Kiev</p>
Manifestantes fazem barricada em uma rua que leva a prédio do governo em Kiev
Foto: Reuters

O presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, deixou Kiev durante a noite para viajar até Kharkiv, no leste do país, onde se reunirá com os deputados das regiões pró-Rússia, informou neste sábado a agência UNN. Entretanto, o representante de Yanukovich na Rada Suprema (Legislativo), Yuri Miroshnichenko, garantiu que desconhece o paradeiro do chefe de Estado, que assinou ontem um acordo com a oposição para uma solução pacífica da crise no país.

Nas últimas horas, dezenas de deputados do Partido das Regiões (PR), que governa o país, abandonaram a legenda de Yanukovich e se mostraram dispostos a cooperar com a oposição para a criação de um governo de união nacional.

O partido de oposição Udar, liderado por Vitali Klitschko, anunciou neste sábado que apresentará no Parlamento uma resolução para exigir a renúncia de Yanukovich, o que permitiria a convocação de eleições presidenciais antecipadas.

"Atualmente, o único órgão legítimo de poder na Ucrânia é a Rada Suprema", proclamou Aleksander Turchinov, um dos dirigentes do principal partido opositor, o Batkivschina.

Já foi registrado na Rada um projeto de impugnação do presidente por iniciativa do deputado independente Nikolai Rudkovski, que abandonou o PR após a explosão dos primeiros distúrbios em novembro do ano passado.

Por outro lado, os grupos mais radicais dos protestos antigovernamentais exigem a renúncia imediata do presidente e advertem que a revolução nas ruas continuará até que o atual regime seja afastado do poder.

Os líderes do principal reduto dos protestos, a Praça da Independência, anunciaram que controlam toda a capital ucraniana e convocaram as forças de segurança a se juntar ao grupo de oposição. Segundo os manifestantes, uma unidade de autodefesa se encontra dentro do edifício do Parlamento, que realiza hoje uma sessão extraordinária.

O ministro das Relações Exteriores da Polônia, Radoslaw Sikorski, garantiu hoje durante uma entrevista coletiva em Varsóvia que o acordo na Ucrânia não contemplava garantias de segurança para Yanukovich.

Sikorski criticou os grupos radicais na Ucrânia que querem a saída de Yanukovich e ameaçam recorrer à luta armada contra as autoridades e pediu que a comunidade internacional deixe que os próprios ucranianos decidam sobre seu futuro.

Após o acordo alcançado na sexta-feira para acabar com a violência armada em Kiev, o Parlamento aprovou uma lei que permitirá a libertação da ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, que está presa e é a principal adversária de Yanukovich.

Além disso, destituiu de maneira fulminante o ministro do Interior, Vitaliy Zakharchenko, acusado pela oposição de ordenar em novembro a repressão violenta das manifestações pacíficas.

Ucrânia: confrontos entre polícia e manifestantes deixam dezenas de mortos

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade