0

Três integrantes do Femen e fotógrafo são detidos na Ucrânia em visita de Putin

27 jul 2013
14h37
atualizado às 15h59

Três ucranianas integrantes do Femen, grupo conhecido por seus protestos com os seios à mostra, e um ex-fotógrafo da AFP foram detidos neste sábado quando as mulheres tentavam se manifestar contra a visita do presidente russo Vladimir Putin.

Uma patrulha da polícia viu por volta das 13h00 GMT (10h00 de Brasília) as três mulheres com os seios à mostra e com inscrições em seus corpos e um homem que tirava uma foto, indicou à AFP um porta-voz da polícia.

"Eles se negaram a obedecer e foram detidos e levados a uma delegacia", disse o porta-voz Igor Mikhalko.

O grupo Femen havia declarado anteriormente que três de suas militantes e um fotógrafo do movimento "foram agredidos por desconhecidos, que depois os levaram de carro a um destino desconhecido".

Segundo Anna Gutsol, líder do movimento, o fotógrafo é Dimitri Kostiukov, que já trabalhou no escritório de Moscou da AFP.

Durante a manhã, a própria Anna Gutsol foi agredida pouco antes da visita à Ucrânia de Putin para participar das celebrações religiosas pelo 1.025º aniversário da introdução do cristianismo no estado russo antigo, a Rus' de Kiev.

"Os serviços especiais russos, ajudados pelos serviços ucranianos, levam adiante uma campanha de terror contra os militantes do Femen devido à visita de inimigos da democracia, o ditador Putin e o patriarca Kirill (patriarca ortodoxo russo)", escreveram as Femen em um comunicado.

"Putin e os que o rodeiam são os responsáveis pelos atentados contra os militantes do Femen", declarou o movimento.

Durante a manhã, Gutsol estava entrando em seu apartamento depois de ter saído para passear com seu cachorro quando um desconhecido lhe deu um soco no rosto, tomou seu cachorro e fugiu correndo.

"Corri atrás dele, mas só consegui ver que entrou em um carro e foi embora com meu cachorro", disse.

"Para mim não faz diferença que seja um membro do Serviço de Segurança Ucraniano (SBU) ou um bandido contratado por ele", declarou, afirmando que a agressão procurava intimidá-la durante uma série de celebrações politicamente sensíveis na Ucrânia neste fim de semana.

Gutsol acrescentou que o grupo feminista tentará, no entanto, protestar contra a visita de Putin. "Toda esta intimidação e esta violência não irão nos deter", disse.

Um militante considerado um dos ideólogos do Femen, Viktor Sviatski, foi agredido perto da sede da organização em Kiev na última quarta-feira, levando o movimento feminista a denunciar uma tentativa de intimidação às vésperas da visita de Putin.

Segundo declarações de Gutsol feitas na quinta-feira, Sviatski foi atacado por dois desconhecidos e um deles lhe disse: "Diga a elas que serão as próximas."

O Femen afirmou que membros do movimento já haviam sido ameaçados e recebido advertências contra qualquer ação de protesto durante a visita de Putin.

As militantes do Femen, grupo fundado na Ucrânia, mas cuja sede fica em Paris, realizam há anos, em todo o mundo, ações com os seios à mostra, para denunciar o sexismo e a discriminação contra as mulheres.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade