1 evento ao vivo

Tio de suspeitos por bombas em Boston acusa Rússia de complô

24 abr 2013
13h55
atualizado às 14h12
  • separator
  • 0
  • comentários

Um parente dos dois suspeitos de terem realizado os atentados na Maratona de Boston disse que eles foram vítimas de um complô russo para retratá-los como terroristas chechenos operando em solo norte-americano.

Said Tsarnaev é tio dos suspeitos de cometerem os atentados na Maratona de Boston
Said Tsarnaev é tio dos suspeitos de cometerem os atentados na Maratona de Boston
Foto: Reuters

Said Tsarnaev, residente de Grozny, a capital da turbulenta região russa da Chechênia, acusou o governo russo de enviar informações falsas para os Estados Unidos com a finalidade de enquadrar os dois suspeitos, os irmãos chechenos Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev.

Ele disse que a Rússia quer convencer o Ocidente de que a insurgência de islamistas na região Cáucaso do Norte, na Rússia, se tornou mundial, resultando em um ataque a um alvo norte-americano.

"Isso não teria acontecido sem o envolvimento do lado russo", afirmou Tsarnaev, 56 anos, à Reuters em sua casa, em Grozny. "A Rússia precisava mostrar ao Ocidente, incluindo os Estados Unidos, que chechenos são terroristas ... Eles precisavam denegrir sua reputação e apresentar essas duas pessoas e todo o povo checheno como terroristas. É por isso que tudo aconteceu."

O Kremlin e as autoridades policiais russas não estavam disponíveis de imediato para comentar a declaração.

Os Estados Unidos acusam a Rússia de usar táticas duras contra a insurgência, mas o presidente russo Vladimir Putin diz que o Ocidente subestima os desafios de segurança enfrentados por Moscou.

Convencer governos estrangeiros de que eles também estão expostos aos insurgentes islâmicos do Cáucaso do Norte pode ser visto por Moscou como uma forma ganhar liberdade total para agir contra a insurgência.

Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev, netos de um primo de Said, são acusados de plantar duas bombas improvisadas perto da linha de chegada da Maratona de Boston, matando três pessoas e ferindo 282.

Tamerlan morreu em um tiroteio com a polícia e Dzhokhar foi capturado após uma caçada policial.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade