0

Polônia: líder condenado por trocar sexo por cargo se suicida

5 ago 2011
17h54
atualizado às 18h07

O líder populista polonês Andrzej Lepper, ex-vice-premiê no governo conservador de Jaroslaw Kaczynski, 57 anos, se enforcou em seu escritório, anunciou na noite desta sexta-feira (hora local) a polícia, confirmando assim a hipótese de suicídio, divulgada horas antes.

Andrzej Lepper foi encontrado morto em seu escritório, no centro de Varsóvia
Andrzej Lepper foi encontrado morto em seu escritório, no centro de Varsóvia
Foto: Reuters

"A causa da morte é suicídio por enforcamento, segundo os termos usados pelo médico", declarou Marcin Szyndler, porta-voz da polícia, citado pela agência PAP.

Horas antes, a polícia havia informado que um parente de Lepper o encontrou pendurado em seu escritório, situado no centro de Varsóvia. Por enquanto, não foi divulgada qualquer explicação sobre a atitude do político.

Lepper, ex-lutador de boxe e criador de porcos, começou a carreira política organizando por toda a Polônia manifestações de agricultores vítimas das transformações econômicas do país, após a queda do regime comunista nos anos 1990, com ações importantes como o bloqueio de estradas com tratores ou o esvaziamento de trens com produtos agrícolas estrangeiros.

Ele fundou o sindicato de agricultores Samoobrona (Autodefesa), que depois se tornou um partido político. Em 2001, obteve 10% das cadeiras, provocando um terremoto na cena política polonesa.

Conhecido pela linguagem rude, chegando a elogiar os grandes trabalhos de Hitler, Lepper chegou a ser vice-premier e ministro da Agricultura em 2006 e 2007, nos tempos dos governos de coalizão com o partido Direito e Justiça, dos irmãos Kaczynski. A coalizão foi pelos ares devido a diversos escândalos, especialmente de cunho político-sexual, nos quais Lepper esteve envolvido.

Em 2010, ele foi condenado a dois anos e meio de prisão por ter obrigado uma mulher a manter relações sexuais em troca de um cargo de trabalho nas estruturas políticas do partido. Essa condenação acabou com sua vida política.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

publicidade
publicidade