PUBLICIDADE

Papa diz que Igreja não mudará sua postura sobre aborto

Francisco admitiu, no entanto, que a Igraja fez pouco para acompanhar as mulheres que se encontram em situações muito duras

26 nov 2013 10h47
| atualizado às 10h49
ver comentários
Publicidade
<p>Papa Francisco durante a celebração de sua missa semanal na Praça São Pedro, Vaticano </p>
Papa Francisco durante a celebração de sua missa semanal na Praça São Pedro, Vaticano
Foto: Tony Gentile / Reuters

O papa Francisco afirmou que "não deve se esperar que a Igreja mude sua postura" sobre a questão do aborto pois este assunto não está sujeito a "supostas reformas ou modernizações" e opinou que "não é progressista pretender resolver os problemas eliminando uma vida humana".

A afirmação do Pontífice foi feita na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium ("A Alegria do Evengelho"), a primeira do papa Francisco após os trabalhos do Sínodo de Bispos, realizado de 7 a 28 de outubro de 2012, dedicado "a nova Evangelização para a transmissão da fé".

No entanto, Francisco reconheceu que "também é verdade que fizemos pouco para acompanhar as mulheres que se encontram em situações muito duras, onde o aborto se apresenta como uma rápida solução para suas profundas angústias, particularmente quando a vida que cresce nelas surgiu como produto de um estupro ou em um contexto de extrema pobreza".

"Quem pode deixar de compreender essas situações de tanta dor?", perguntou.

Segundo o pontífice, "a Igreja quer cuidar com predileção das crianças por nascer, que são os mais indefesos e inocentes de todos, a quem hoje se quer negar sua dignidade humana para se fazer com eles o que se deseja, tirando-lhe a vida e promovendo leis para que ninguém possa impedir".

O bispo de Roma acrescentou que "frequentemente para ridicularizar a defesa que a Igreja faz de suas vidas, procura-se apresentar sua postura como algo ideológico, obscurantista e conservador".

No entanto, esta defesa da vida por nascer "está intimamente ligada à defesa de qualquer direito humano", sustentou.

"Representa", acrescentou o papa, "a convicção de que um ser humano é sempre sagrado e inviolável, em qualquer situação e em cada etapa de seu desenvolvimento".

EFE   
Publicidade
Publicidade