0

Orquestra nascida em lixão é atração da Jornada da Juventude

17 ago 2011
11h44
atualizado às 12h25

A orquestra paraguaia Sonidos de la Tierra, que foi criada em um lixão da capital paraguaia, Assunção, participará em Madri da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), evento católico realizado nesta semana e que contará, a partir de amanhã, com a presença do papa Bento XVI.

O diretor da orquestra, o compositor e historiador Luis Szarán, viu há nove anos, no lixão de Cateura, uma mulher que segurava seu bebê com uma mão e selecionava resíduos com a outra, e então teve a ideia de criar o grupo.

"Somos os únicos a tocar com lixo reciclado", disse Szarán em entrevista à Agência Efe.

Durante sua estadia na Espanha, ele fará vários concertos com a orquestra e participará de uma exposição sobre as Reduções Jesuíticas. O músico viajou acompanhado por 14 jovens, com idades entre 16 e 20 anos, selecionados em um programa de integração comunitária e social que ele desenvolveu sob o lema "o jovem que durante o dia interpreta Mozart, de noite não quebrará vidraças".

O programa, que possibilita o acesso direto à educação musical, através da formação em escolas de música, grupos musicais e associações culturais, já conta com 12 mil alunos em 165 comunidades de todo o Paraguai, país onde 65% da população tem menos de 30 anos.

"Este projeto dá muita ênfase ao trabalho com a juventude em um país no qual a corrupção presente há tantos anos praticamente não proporcionou oportunidades às pessoas", ressaltou.

"Acho que a juventude está dando sinais muito perigosos de saturação por causa da ineficácia e das más atuações dos políticos. O movimento dos indignados (em Madri) é um sinal que precisa chamar a atenção de todos", acrescentou.

Sobre seu projeto, Szarán afirmou que ainda há "muito o que fazer".

"Queremos que se multipliquem os espelhos de esperança, que cada uma dessas ONGs seja uma luz que proporcione inspiração. Insistimos muito não para que sejam bons músicos, mas boas pessoas, que tenham esperança, abracem um ideal e o vivam com paixão", declarou.

EFE   

compartilhe

publicidade
publicidade