7 eventos ao vivo

Oposição espanhola ameaça Rajoy com voto de não confiança

16 jul 2013
12h07
atualizado às 12h16
  • separator
  • 0
  • comentários

A oposição espanhola disse nesta terça-feira que vai convocar uma votação simbólica de não confiança contra o primeiro-ministro Mariano Rajoy, que recusou-se a comparecer perante o Parlamento para responder a questionamentos sobre um escândalo de financiamento de seu partido.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, garante que não pretende deixar o cargo
O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, garante que não pretende deixar o cargo
Foto: AP

O Partido Popular (PP), de Rajoy, de centro-direita, tem maioria absoluta no Parlamento e, a menos que houvesse deserções significativas de membros do seu partido, sobreviveria a uma votação.

Mas uma moção de não-confiança, usada apenas duas vezes desde a morte do ditador Francisco Franco, em 1975, faria com que Rajoy ou um representante tivesse que ir ao Parlamento para se defender.

Até recentemente Rajoy conseguiu limitar o impacto do escândalo, que envolve alegadas doações ilegais feitas por magnatas da construção, supostamente distribuídas como pagamentos em dinheiro aos líderes partidários em troca de contratos.

Na segunda-feira, Rajoy rejeitou os apelos por sua renúncia por causa do escândalo e disse que não iria ceder a "chantagem".

Enfrentando crescente pressão dentro do PP sobre o tratamento que dá ao caso, o premiê disse que iria continuar a aplicar seu programa político até 2015, e não planejava convocar eleições antecipadas.

Mas a pressão de outros grupos políticos se acumula.

"Eu sei que não temos assentos suficientes (para ganhar um voto de não confiança), mas quero que ele compareça perante esta câmara", disse o líder socialista Alfredo Pérez Rubalcaba, em um discurso aos parlamentares de seu partido.

Em uma reunião da comissão permanente do Parlamento nesta terça-feira, o PP rejeitou novos pedidos da oposição para que Rajoy compareça a uma audiência no Senado.

O comitê está marcado para discutir em 24 de julho uma possível ida de Rajoy à Câmara dos Deputados. Dependendo dos resultados das negociações, os socialistas levarão adiante sua ameaça.

No centro do caso está o ex-tesoureiro do PP Luis Bárcenas, de 55 anos, que foi preso em junho acusado de corrupção, lavagem de dinheiro, fraude fiscal e outros crimes.

Ele diz ter pago 90 mil euros em dinheiro a Rajoy e à secretária-geral do partido, Maria Dolores Cospedal, em 2009 e 2010 - alegação negada por Rajoy.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade