2 eventos ao vivo

No jubileu da rainha, britânicos discutem futuro pós-Elizabeth II

1 jun 2012
10h50
atualizado às 13h22
  • separator

Quando os britânicos entoarem o hino nacional "Deus Salve a Rainha", durante os quatro dias de celebrações do 60º aniversário do reinado de Elizabeth II, os monarquistas podem ter motivos para gritarem com força o verso "que reine longamente sobre nós". As pesquisas mostram que a rainha de 86 anos continua sendo enormemente popular entre os britânicos, mas há dúvidas sobre o futuro da monarquia quando seu filho, o príncipe Charles, que já tem 63 anos, se tornar rei.

O centro de Londres é decorado para o Jubileu de Diamante - quase 70% dos britânicos aprova a monarquia
O centro de Londres é decorado para o Jubileu de Diamante - quase 70% dos britânicos aprova a monarquia
Foto: AFP

Republicanos e até alguns monarquistas convictos dizem que o futuro será um desafio real - em todos os sentidos - para uma instituição que depende do carisma do seu titular para continuar relevante no mundo moderno. "A monarquia só é tão boa quanto as pessoas que estão fazendo o trabalho", disse o biógrafo real Robert Lacey. "Os britânicos já cortaram a cabeça do seu rei, os britânicos já viveram como República durante 11 anos, sob Oliver Cromwell. Poderíamos fazer isso de novo."

Elizabeth se tornou rainha aos 25 anos, em 6 de fevereiro de 1952, com a morte do seu pai, George VI. Winston Churchill era o primeiro-ministro na época. Ela herdou a coroa de um rei extremamente popular, cuja reputação como cumpridor dos seus deveres ajudou a família real a superar o escândalo decorrente da abdicação de Edward VIII, que preferiu se casar com uma plebeia norte-americana. Ao longo da Segunda Guerra Mundial, o pai da atual rainha se tornou uma figura querida por praticamente todos os estratos da sociedade.

Nestes 60 anos, a Grã-Bretanha passou por mudanças dramáticas e se tornou uma sociedade mais igualitária, na qual frequentar lugares como Oxford e Cambridge não é mais privilégio da aristocracia. A maioria dos nobres hereditários perdeu suas cadeiras na Câmara dos Lordes.

Mas nem tudo foram flores no atual reinado. Elizabeth II foi a monarca que dissolveu o império britânico, da independência do Quênia à entrega de Hong Kong à China, embora ela continue oficialmente sendo a chefe de Estado de 16 países e presida a Commonweatlh (Comunidade Britânica).

Casamentos e divórcios
Seu casamento com um príncipe grego segue bastante sólido, mas sua irmã, sua filha e dois dos seus filhos tiveram rompimentos amorosos bastante turbulentos. No jubileu dos 40 anos, ela declarou que 1991 havia sido um "annus horribilis" ("ano horrível"), pois três dos seus quatro filhos se separaram, e um incêndio atingiu o Castelo de Windsor.

A morte da princesa Diana, em 1997, piorou ainda mais a imagem da monarquia, pois a opinião pública considerou que a rainha reagiu com frieza diante da tragédia que abateu a popular ex-mulher de Charles. Mas, apesar das crises naquela que já foi descrita como "a mais disfuncional família da Grã-Bretanha", Elizabeth continua digna e confiável. Nenhum dos escândalos chegou realmente a pôr em xeque uma linhagem real que remonta a Guilherme, o Conquistador, em 1066. Até republicanos convictos acham que tão cedo a rainha não deixará de ser reverenciada.

Amparada por uma operação midiática mais profissional e sofisticada, a família real conseguiu recuperar sua reputação depois da sombria década de 1990, e foi além. Prova disso foi o sucesso do casamento do filho mais velho de Charles, William, com Kate Middleton, que aconteceu no ano passado e atraiu mais de 1 milhão de pessoas às ruas de Londres, além de ser visto por cerca de 2 bilhões de pessoas pela TV no mundo todo.

Uma pesquisa publicada na semana passada pelo jornal de esquerda Guardian mostrou que o apoio à monarquia alcançou seu maior nível desde o início dessa série de levantamentos, em 1997. Quase 70% dos britânicos dizem que o país estaria pior sem a monarquia, contra 22% que acham que estaria melhor. Apenas 10% são favoráveis a que o chefe de Estado seja eleito pelo povo.

Veja também:

"Eu pensei: 'Vou morrer?'": a noiva surpreendida durante ensaio pela explosão no Líbano
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade