0

Navio Costa Concordia chega ao seu destino final

Embarcação sofreu acidente em janeiro de 2012, quando 32 pessoas morreram

12 mai 2015
12h56
atualizado às 14h04
  • separator
  • comentários

Chegou ao fim, na manhã desta terça-feira (12), a última viagem em alto mar do navio Costa Concordia. A complexa operação de retirada da embarcação de uma parte do porto de Gênova para levá-lo ao local do desmanche final ocorreu sem problemas e durou cerca de 15 horas.

Pessoas olham navio de cruzeiro Costa Concordia tombado na costa da Toscana, na Itália
Pessoas olham navio de cruzeiro Costa Concordia tombado na costa da Toscana, na Itália
Foto: Tony Gentile / Reuters

Siga o Terra Notícias no Twitter

Para o comandante da Capitania dos Portos de Gênova, Vincenzo Melone, que estava na cabine do transatlântico, essa foi a maior operação já realizada no mar.

"Quando o primeiro cabo de segurança foi preso no cais, eu dei um suspiro de alívio porque ali se concluía uma operação única na história da Marinha. Posso dizer que isso é um sucesso de todo o sistema portuário, pois se conjugaram a capacidade organização da Capitania com os excelentes serviços técnicos-náuticos do porto", disse Melone ao descer dos restos do navio.

O Costa Concordia ficará preso por 12 cabos de aço em uma primeira etapa do desmanche e depois será levado ao porto seco para ser completamente desmontado.

"Do navio serão recuperados 55 mil toneladas de aço e duas mil toneladas de cobre. A operação é complexa e, ao todo, iremos recuperar e destinar à reciclagem 100% do aço e do metal e cerca de 80% de tudo que estava na embarcação", disse Ferdinando Garrè, CEO do Consórcio Ship Recycling, que desmontará o barco.

O Costa Concordia deixou a ilha de Giglio - onde sofreu o acidente no dia 13 de janeiro de 2012, matando 32 pessoas - no dia 23 de julho de 2013 e, após quatro dias de navegação, os restos chegaram à Gênova. Segundo previsões da própria Ship Recycling, a desmontagem total do navio deve terminar "na primavera de 2016" após 22 meses de trabalho.

Fonte: ANSA Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade