1 evento ao vivo

Mais de 60 morrem devido à onda de frio no leste europeu

31 jan 2012
16h01
atualizado às 17h35

Mais de 60 pessoas morreram em uma onda de frio que atingiu o leste europeu, disseram autoridades nesta terça-feira, obrigando alguns países a convocar o Exército para ajudar a garantir alimentos e remédios e para erguer abrigos de emergência para os desabrigados. A temperatura na Ucrânia despencou para -33°C, a mais fria em seis anos, enquanto o leste da Bósnia experimentou mínimas de -31°C e Polônia, Romênia e Bulgária, -30°C.

O rio Vístula, na Polônia, fica coberto por gelo perto da cidade de Varsóvia, onde fez -16°C nesta terça-feira
O rio Vístula, na Polônia, fica coberto por gelo perto da cidade de Varsóvia, onde fez -16°C nesta terça-feira
Foto: Reuters

As previsões dizem que a onda de frio vai durar até sexta-feira, com mais neve caindo por toda a região na quarta-feira. Pelo menos 30 pessoas, a maioria desabrigados, morreram na Ucrânia nos últimos cinco dias, disse o Ministério das Emergências. Outras 500 foram hospitalizadas por queimaduras de frio e outros ferimentos relacionados às baixas temperaturas.

As temperaturas de janeiro na Ucrânia não costumam cair abaixo de -15°C. O ministério disse que 1,6 mil centros foram arrumados para fornecer abrigo e entrega de comida para os sem-teto.

Cinco pessoas morreram na Bulgária e oito na Romênia, onde os soldados foram convocados na semana passada para resgatar centenas de pessoas presas nos carros pelas nevascas. O Mar Negro ficou congelado em torno do resort romeno de Mamaia, e do outro lado da fronteira, na Bulgária, um lago salgado congelou pela primeira vez em 58 anos.

Cinco pessoas morreram na Polônia durante a noite, elevando o número de mortos para 15 desde que as temperaturas caíram no final de semana. Ao menos três pessoas morreram com as pesadas neves nas regiões montanhosas da Sérvia, no sul e sudeste.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade