1 evento ao vivo

Justiça italiana rejeita recurso de Berlusconi em condenação por fraude

Berlusconi tentava a anulação de uma condenação por fraude fiscal e à proibição de exercer qualquer cargo público durante cinco anos

19 jun 2013
19h16
atualizado às 19h45
  • separator
  • comentários

O Tribunal Constitucional italiano rejeitou nesta quarta-feira um importante recurso apresentado pelo ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi para conseguir a anulação de uma condenação por fraude fiscal que poderá obrigá-lo a desistir de exercer qualquer cargo público.

<p>Condenado por por fraude fiscal, Silvio Berlusconi está proibido de exercer qualquer cargo público durante cinco anos</p>
Condenado por por fraude fiscal, Silvio Berlusconi está proibido de exercer qualquer cargo público durante cinco anos
Foto: AFP

"Il Cavaliere", julgado por fraude fiscal na compra e venda de direitos de séries de televisão americanas, foi condenado a um ano de prisão - que ficou em quatro meses, três dos quais anulados por anistia - e à proibição de exercer qualquer cargo público durante cinco anos.

Após o recurso dos advogados de Berlusconi apresentado nesta quarta, o Tribunal de Cassação, a maior jurisdição penal italiana, deve se pronunciar no mais tardar no outono. Um tribunal de Milão rejeitou em março de 2010 a alegação de Berlusconi de que tinha um conselho de ministros para não assistir a uma audiência do julgamento pela Mediaset.

O Tribunal Constitucional confirmou nesta quarta que aquele conselho de ministros tinha sido adiado na última hora, enquanto a audiência do julgamento já estava programada com antecedência.

Se o Tribunal de Cassação confirmar a condenação, "il Cavaliere" deixará automaticamente de ser senador, cargo que mantém desde as eleições legislativas de fevereiro, e acabará com seu sonho de ser candidato à Presidência da República.

Berlusconi enfrenta também outros julgamentos. Na segunda-feira, o tribunal de Milão se pronunciará sobre o chamado caso "Ruby" por prostituição e abuso de poder, no qual a procuradoria pediu seis anos de prisão e a proibição do exercício de um cargo público até o fim de sua vida.

AFP   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade