PUBLICIDADE

Crise na Ucrânia: Putin perdeu a confiança em laço com EUA

Presidente russo afirmou que os Estados Unidos devem respeitar os interesses dos outros e a lei internacional

17 abr 2014 09h56
ver comentários
Publicidade
<p>Presidente Vladimir Putin,&nbsp;em uma apari&ccedil;&atilde;o na televis&atilde;o em Moscou, nesta quinta-feira,&nbsp;17 de abril</p>
Presidente Vladimir Putin, em uma aparição na televisão em Moscou, nesta quinta-feira, 17 de abril
Foto: Reuters

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou nesta quinta-feira que a confiança entre Rússia e Estados Unidos foi quebrada diante da crise na Ucrânia, mas garantiu que pretende restaurar a cooperação entre ambos países.

Para isso, Putin afirmou que os Estados Unidos devem respeitar os interesses dos outros e a lei internacional.

"Até certo ponto a confiança foi perdida, mas nós não consideramos que devemos ser responsabilizados", disse Putin em um programa de TV em que respondeu perguntas.

"Os Estados Unidos podem agir na Iugoslávia, Iraque, Afeganistão e Líbia, mas a Rússia não pode defender seus interesses", disse.

Putin afirmou, no entanto, que o país tem interesse em ampliar os laços com os Estados Unidos.

"Eu quero ressaltar mais uma vez, que a Rússia está interessada em expandir as relações com os Estados Unidos e fará qualquer coisa para garantir que essa confiança seja restaurada", disse.

O presidente russo afirmou ainda que o país não tem intenções de estragar as relações entre Rússia e União Europeia.

As declarações ocorrem enquanto uma reunião multilateral, entre ministros das Relações Exteriores da Ucrânia, Rússia, EUA e União Europeia está sendo realizada, em Genebra, esta manhã, em busca de uma solução para a crise ucraniana.

Ucrânia x Rússia: Veja o poderio bélico dos dois países Ucrânia x Rússia: Veja o poderio bélico dos dois países

 

 

 

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade