Corpo "que caiu do céu" intriga polícia britânica

atualizado às 11h10
  • separator
  •  
  • comentários

Investigadores tentam, há mais de três meses, solucionar o mistério envolvendo a identidade de um homem que, aparentando ter 20 anos, morreu ao cair de um avião em pleno voo na Grã-Bretanha. Até agora, a polícia sabe muito pouco sobre o caso e acredita que o jovem seria um imigrante ilegal de Angola.

Imagem computadorizada de rosto de homem que "caiu do céu" em Londres
Imagem computadorizada de rosto de homem que "caiu do céu" em Londres
Foto: BBC Brasil

Ele teria embarcado na aeronave na capital angolana, Luanda, ao entrar sem ser percebido no minúsculo compartimento do trem de pouso. Como proteção à baixa temperatura e à alta pressão, o jovem teria tomado uma única precaução. Segundo os investigadores, ele encheu os ouvidos com pedaços de lenços de papel.

Porém, oito horas depois, quando o avião já se aproximava da cidade de Mortlake, no sudoeste de Londres, para pousar no Aeroporto Internacional de Heathrow, o homem "caiu do céu", segundo relatos de moradores da região. "Eram 7h42. Acordamos com um barulho infernal", afirmou Lizzie Calfe.

O corpo do homem foi encontrado próximo à casa da britânica, com graves ferimentos. Apesar de o incidente ter acontecido três meses atrás, ela, como muitos de seus vizinhos, quer descobrir a verdadeira história do homem - e porque ele decidiu por uma jornada tão desesperadora e sem volta. "É difícil esquecer (...) quando começo a me lembrar do episódio, penso: ele tinha uma família", lamenta Calfe.

Tatuagem
A polícia metropolitana londrina ainda tentar juntar, em vão, as peças do quebra-cabeça. "Pode ser que seus familiares não saibam que ele está desaparecido e estejam desesperados para encontrá-lo", disse o sargento Jeremy Allsup, que ainda não conseguiu descobrir a identidade do homem.

O "passageiro ilegal" estava carregando algumas cédulas da moeda de Angola e caiu em um ponto quando o avião, da companhia aérea British Airways, sobrevoava uma das principais avenidas de Mortlake.

A polícia, porém, já divulgou pistas que podem levar à sua real identidade. O rosto do homem, que ficou destruído com o impacto, foi reconstruído para ajudar os detetives a solucionar o caso. O que se sabe, de fato, é que ele tinha uma tatuagem em seu braço esquerdo com as iniciais ZG. "Se essa imagem for divulgada para um familiar ou amigo da vítima, possivelmente eles conseguirão identificá-lo", disse Allsup.

Mas a pista mais importante parece ter sido encontrada nos bolsos do jovem. Ele carregava um celular que contém números de sua família e amigos e possivelmente os contactaria em poucas horas, tão logo o avião aterrissasse na Grã-Bretanha.

O telefone, no entanto, está bloqueado. Detalhes do chip foram encaminhados às autoridades angolas que, de posse do DNA do homem, sua arcada dentária e fotos, também tenta descobrir sua identidade, até agora, sem sucesso.

Para o sargento Allsup, a polícia angolana tem concentrado poucos esforços na solução da morte, uma vez que, apesar de ter recebido indicações da vítima, ainda não deu sinais de que investigará o caso. A Embaixada da Angola em Londres não fez comentários sobre o incidente.

Quebra-cabeça
Enquanto isso, outros ainda tentam descobrir informações sobre a identidade do homem. Gama Mossi, um angolano que recebeu asilo político da Grã-Bretanha em 2000, organizou reuniões com outros exilados de seu país próximo ao local onde o imigrante ilegal caiu. "É crucial para nós fazermos pressão sobre o governo de Angola para liberar informações à imprensa do meu país", afirma.

Para Mossi, crítico do governo, provavelmente o homem fugiu do país porque "não tinha emprego, era um nada na sociedade angolana. Não tinha nada a perder, como milhões de angolanos. A nossa voz não tem peso", critica.

Segundo o sargento Allsup, "ainda não sabemos como vamos resolver esse caso. Se não conseguirmos identificá-lo, teremos de enterrá-lo no Reino Unido".

Mas para o angolano Mossi, o pior ainda está por vir. "É muito importante em nossa cultura sabermos de quem se trata, uma vez que, pelas nossas tradições, uma pessoa só está morta quando ela é enterrada da maneira tradicional. Se ele for enterrado aqui, sem nome nem sobrenome, é como se ele ainda estivesse vivo. Uma alma em trânsito", afirma.

BBCBrasil.com BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

compartilhe

publicidade
publicidade