9 eventos ao vivo

Chávez condena energicamente atentados na Noruega

23 jul 2011
20h37
atualizado às 21h08

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, declarou neste sábado através de um comunicado que, "em nome do povo e do governo Bolivariano, condena energicamente" os atentados de sexta-feira na Noruega, que deixaram pelo menos 92 mortos.

Chávez está em Cuba, onde se reuniu neste sábado com Fidel Castro e o ex-jogador argentino Maradona em Havana
Chávez está em Cuba, onde se reuniu neste sábado com Fidel Castro e o ex-jogador argentino Maradona em Havana
Foto: EFE

Em comunicado distribuído em Caracas, Chávez, que se encontra em Cuba, disse que, "ao reiterar seu repúdio ao terrorismo, assim como a qualquer forma de violência, estende sua mensagem de solidariedade e esperança a todos os parentes e pessoas próximas das vítimas, à população norueguesa e a suas autoridades neste doloroso momento para o país".

Nos ataques de sexta-feira contra edifícios governamentais de Oslo e um acampamento de jovens na ilha de Utoya pelo menos 92 pessoas morreram. Um norueguês de 32 anos identificado como Anders Behring Breivik, considerado o suposto autor dos atentados, já foi detido, mas a Polícia não descarta que ele tenha contado com cúmplices.

Tragédia na Noruega
A Noruega viveu na última sexta-feira, dia 22, a maior tragédia do país desde a Segunda Guerra Mundial. Dois atentados deixaram, até o momento, um saldo de 92 mortos. Primeiro, uma bomba explodiu no centro da capital, Oslo, na região onde estão localizados vários prédios governamentais, inclusive o escritório do premiê, Jens Stoltenber. Sete pessoas morreram, mas a polícia admite possa haver corpos não resgatados nos prédios.

A segunda tragédia aconteceu em uma ilha próxima da capital, Utoya. Lá, Anders Behring Breivik, um homem de 32 anos vestido com uniforme da polícia, abriu fogo contra jovens reunidos em um acampamento de verão. Ao menos 85 morreram. A maioria pelos tiros disparados. Alguns outros morreram afogados após tentarem fugir nadando. Ele foi detido logo depois, pela polícia, e admitiu o crime. O atirador - que é ligado à extrema-direita - também tem envolvimento no ataque em Oslo.

EFE   
publicidade