0

Cameron discorda de papa Francisco sobre liberdade de expressão

18 jan 2015
16h45

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, defendeu a liberdade de expressão sobre as crenças religiosas, em resposta ao papa Francisco, que sugeriu limites.

Em uma entrevista divulgada neste domingo na rede americana CBS, Cameron disse que os países do Ocidente devem mostrar que seus valores, como a liberdade de expressão, são mais fortes do que os perseguidos por extremistas islâmicos.

"Acredito que em uma sociedade livre há o direito de ofender as religiões. Eu sou cristão. Se alguém diz em algum momento algo ofensivo sobre Jesus posso achar ofensivo, mas em uma sociedade livre não tenho o direito de pedir vingança", afirmou Cameron.

"Temos que aceitar que os jornais e revistas possam publicar coisas que são ofensivas para alguns, contanto que estejam dentro da lei", acrescentou.

Após o ataque ao jornal satírico francês Charlie Hebdo na semana passada pela publicação de caricaturas de Maomé que provocaram a ira de setores muçulmanos, o papa disse na quinta-feira em Manila que "há limites" para a liberdade de expressão.

Doze pessoas, incluindo alguns dos melhores caricaturistas franceses, morreram no dia 7 de janeiro quando dois homens armados entraram na redação do jornal.

"Não se pode provocar, não se pode insultar a fé de outras pessoas, não se pode brincar com isso", disse o pontífice. "A liberdade de expressão é um direito que deve ser exercido sem ofender".

O novo editor-chefe da Charlie Hebdo defendeu as caricaturas. "Cada vez que desenhamos Maomé, cada vez que desenhamos profetas, cada vez que desenhamos Deus, defendemos a liberdade de religião", disse o editor Gerard Biard. "A religião não deve ser um argumento político".

"Se Deus se mete na política, então a democracia está em perigo", disse Biard.

Veja também:

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade