PUBLICIDADE

Azerbaijão é o "vizinho desenvolvido e moderno" no Cáucaso

21 ago 2011 11h21
| atualizado em 22/8/2011 às 11h00
Publicidade
Solly Boussidan
Direto de Baku

A não ser que você tenha amplo conhecimento de geografia, trabalhe no setor de petróleo e gás ou se interesse por estudos soviéticos, as chances são de que pouco ou nada tenha ouvido falar sobre o Azerbaijão.

Prédios ultramodernos surgem por todos os lados e destacam um Azerbaijão mais desenvolvido no Cáucaso
Prédios ultramodernos surgem por todos os lados e destacam um Azerbaijão mais desenvolvido no Cáucaso
Foto: Solly Boussidan / Especial para Terra

O pequeno país no sudeste do Cáucaso se estende das planícies do Irã ao sul às margens do Mar Cáspio, a leste. O norte é recortado pelo fim da cordilheira do Cáucaso. Os azeris são um povo de origem túrquica que falam um idioma muito similar ao turco, mas etnicamente se miscigenaram com povos do norte do Cáucaso e do Irã.

Um povo extremamente agrário e originalmente zoroastrista, os azeris foram dominados por sucessivas invasões túrquicas e iranianas, que acabaram por converter mais de 99% da população à vertente xiita do islamismo. Mesmo assim, o país abriga minorias cristãs, judaicas, animistas, zoroastristas, hare krishna, hinduístas, sunitas, wahabitas e baha'is.

Em 1918, o Azerbaijão tornou-se o primeiro país islâmico a tornar-se uma república secular e democrática, a experiência, no entanto, durou pouco tempo e o país tornou-se parte da União Soviética (URSS) em 1920. Sob o comando de Moscou, diversos russos foram realocados para o país e a população sofreu forte pressão para abandonar as práticas religiosas em nome da pátria comum. A grande diversidade e mudança de regimes e costumes, transformaram os azeris em um dos povos mais hospitaleiros do planeta.

As práticas de secularização da URSS foram tão profundas que poucas mesquitas sobreviveram no país e poucos são os azeris que efetivamente aderem aos costumes islâmicos. Nos últimos anos, uma versão moderna e urbana do Islã tem se tornado popular entre alguns jovens da elite local.

O grande avanço azeri se deu com a descoberta de petróleo e gás no início do século XX, que garante a prosperidade do país até hoje e tornou a república no país mais próspero do Cáucaso. Antigos prédios e mausoléus de mais de mil anos, do período das invasões turcas, iranianas e mongóis, se misturam a belas mansões da época dos barões do petróleo, resquícios da arquitetura de bloco do período socialista e mais recentemente a construção de prédios ultramodernos em estilo dubaiesco.

No campo político, o país dominou por 70 anos e tentou colonizar de forma desastrosa o enclave armênio de Nagorno-Karabakh, o qual perdeu em uma guerra sangrenta para a vizinha Armênia na década de 90. Ambos os países continuam em virtual estado de guerra.

A família Aliyev, cujo patriarca Heydar Aliyev era membro do politburo soviético assumiu o controle do Azerbaijão em sucessivas eleições de pouca transparência e através de uma série de manobras legais dominaram todos os campos econômicos da nação. Com a morte de Heydar Aliyev, seu filho, Ilham, assumiu o poder e governa o país de forma autocrática sem permitir dissidências. Apesar da truculência política, os azeris possuem o melhor padrão de vida dos países do Cáucaso.

Fonte: Especial para Terra
Publicidade