0

"Humilhada", russa que beijou colega nega protesto contra lei antigay

20 ago 2013
10h16
atualizado às 11h59
  • separator
  • comentários

A atleta russa Kseniya Ryzhova, medalha de ouro no Mundial de Atletismo de Moscou, concluído no domingo, afirmou nesta terça-feira que se sente "humilhada" pela polêmica em torno do beijo na boca que deu em colega de equipe para comemorar a vitória no revezamento 4x400 m. Ela negou que o gesto tenha sido um ato de apoio à comunidade gay.

<p>Rhyzova (à esquerda) e Firova se beijaram no pódio do 4x400 m feminino</p>
Rhyzova (à esquerda) e Firova se beijaram no pódio do 4x400 m feminino
Foto: Reuters

Ryzhova e Yulia Gushchina, que ganharam a medalha de ouro no sábado, trocaram no pódio um beijo na boca, em meio à controvérsia criada por uma lei russa que proíbe a propaganda da homossexualidade em público, com multas e penas de prisão. A lei foi, inclusive, defendida pela saltadora Yelena Isinbayeva, principal atleta da Rússia.

A corredora insistiu que o beijo não foi mais que uma manifestação de alegria pela medalha conquistada. O beijo na boca é um gesto habitual na Rússia em momentos de comemoração e felicitação entre amigos.

"Ontem recebi 20 ligações de diferentes órgãos de imprensa que, ao invés de me felicitar, decidiram me humilhar com essas perguntas", declarou Ryzhova, citada pela agência Itar-Tass. "Yulia e eu não temos nenhuma relação de outro tipo. Treinamos juntas há oito anos e somos boas amigas", enfatizou.

Veja as melhores tatuagens do Mundial de Atletismo

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade