PUBLICIDADE

Alemanha vai receber lixo tóxico causado por catástrofe na Índia

24 mai 2012 - 20h22
Publicidade

Há quase 30 anos, vazamento de gases numa fábrica em Bhopal, na Índia, matou milhares de pessoas e causou o pior acidente industrial da história. O local permanece contaminado. A Índia eliminará lixo tóxico na Alemanha.

As consequências da catástrofe ainda ecoam nos dias de hoje. Quando, em 1984, uma fábrica da empresa química norte-americana Union Carbide, em Bhopal, na Índia, deixou vazar para a atmosfera entre 20 e 40 toneladas da substância altamente tóxica isocianato de metila, 3.500 pessoas das favelas próximas morreram imediatamente. Até 2007, mais de 15 mil outras morreram em consequência do desastre, de acordo com o governo indiano. Segundo outras fontes, a cifra real foi o dobro.

Mais de 27 anos após esse acidente devastador, 346 toneladas de resíduos altamente tóxicos ainda contaminam o terreno ao redor da fábrica, que pertence desde 1999 ao grupo norte-americano Dow Chemicals. A eliminação dos resíduos contaminados é difícil. Especialmente a questão sobre o destino para os resíduos provocou um intenso debate na Índia.

O governo do estado indiano de Madhya Pradesh, onde se situa Bhopal, queria enviar os dejetos para a Alemanha. Membros do governo indiano preferem que o lixo seja levado para as centrais de eliminação de resíduos de Pithampur, a 200 quilômetros de Bhopal. No final, a Suprema Corte da Índia determinou que o governo indiano tome rapidamente uma decisão.

Ajuda da GIZ
Um grupo de ministros se disse agora a favor da eliminação do lixo na Alemanha, com auxílio da Agência Alemã para a Cooperação Internacional (GIZ). Para isso, foram liberadas 97,5 milhões de rupias (1,5 milhão de euros). Já discutimos com a GIZ sobre o assunto. A eliminação deve começar em breve'''', afirma, otimista, Babulal Gaur, secretário do governo estadual de Madhya Pradesh responsável pelas providências relacionadas à catástrofe de Bhopal.

Na Alemanha, há uma indústria crescente de gestão de resíduos. As empresas importam grandes quantidades de resíduos tóxicos de todo o mundo. ''''A Alemanha é um dos maiores importadores de lixo tóxico'''', observa Sundar Raman, cientista especializada em meio ambiente do Institute of Science Education and Research Bhopal, em entrevista à Deutsche Welle. ''''O país tem um grande know-how técnico. Seja baterias chumbo-ácidas ou amianto, tudo é eliminado aqui.''''

Alívio para moradores
Ativistas e moradores de Pithampur receberam a decisão do governo indiano com alívio. ''''Fico feliz que os resíduos tóxicos sejam eliminados em outro lugar'''', diz Pradeep Kumar, do Centro de Proteção Ambiental, Pesquisa e Desenvolvimento. ''''Somos contra a eliminação em Pithampur. A instalação ainda não é plenamente operacional, e a tentativa de queimar resíduos tóxicos nela poderia causar uma nova catástrofe."

Muitos moradores de Pithampur também protestaram contra o plano inicial do governo indiano. Eles argumentaram que sua cidade não tem instalações para eliminação de resíduos tóxicos, e que a incineração dos resíduos poderia pôr em risco a saúde de centenas de milhares de pessoas.

"É bom que isso não aconteça em Madhya Pradesh", concorda o ativista Rachna Dhinga. "Mas as autoridades também devem ter cuidado ao transportar o lixo tóxico de Bhopal para o porto", ressalva. A GIZ já propôs que o transporte de resíduos tóxicos seja por via aérea, até uma empresa de gestão de resíduos em Hamburgo.

Para as vítimas do acidente e suas famílias, a eliminação dos resíduos tóxicos trará pouco consolo. Milhares continuam à espera de tratamento médico para doenças causadas pelo desastre. E a cada ano ainda ocorrem morte em consequência do acidente.

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Publicidade