Estados Unidos

publicidade
29 de agosto de 2011 • 18h51 • atualizado às 20h04

Strauss-Kahn vai à sede do FMI e pede desculpas a funcionários

O francês Dominique Strauss-Kahn deixa a sede do FMI de carro após se despedir de funcionários, em Washington
Foto: AP

O ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn visitou nesta segunda-feira a sede da instituição em Washington e pediu desculpas a seus funcionários, afirmou à AFP uma testemunha do encontro.

Segundo esse funcionário do fundo, Strauss-Kahn disse em três ocasiões: "vim aqui para me desculpar diante daqueles que foram prejudicados por toda essa história", e disse lamentar que o polêmico caso tenha tido impacto negativo no FMI.

A visita do economista francês à sede central do FMI durou menos de duas horas. O funcionário descreveu a atmosfera da reunião como "muito positiva" e disse que cerca da metade do pessoal esteve presente e aplaudiu Strauss-Kahn, que se mostrou emocionado.

Strauss-Kahn, 62 anos, renunciou ao cargo de diretor-gerente do FMI após ser preso e acusado de agressão sexual em maio. Tinha assumido seu cargo em novembro de 2007 e até sua renúncia dedicou-se a reestruturar a instituição. Foi substituído em julho pela ex-ministra das Finanças francesa, Christine Lagarde.

Strauss-Kahn, que na semana passada foi libertado quando um juiz rejeitou as acusações de agressão sexual e tentativa de estupro contra uma camareira de hotel em Nova York, fez uma visita de despedida a seus ex-funcionários em Washington. Os promotores disseram que não podiam continuar com o caso porque as mentiras da camareira tornaram impossível comprovar suas acusações.

AFP