PUBLICIDADE

Isaac testa proteção de Nova Orleans no aniversário do Katrina

29 ago 2012 08h17
| atualizado às 11h47
Publicidade

O furacão Isaac castigou o sul de Louisiana com ventos fortes e chuvas pesadas, nesta quarta-feira, e se encaminhava para chegar no final da manhã a Nova Orleans, no dia em que, há sete anos, o furacão Katrina devastou a cidade. Mais de 400 mil pessoas já ficaram sem energia elétrica pela passagem do furacão pelo Estado.

Sacos de areia bloqueiam a entrada de um banco em Mobile, no Alabama, como forma de proteção para a chegada do furacão
Sacos de areia bloqueiam a entrada de um banco em Mobile, no Alabama, como forma de proteção para a chegada do furacão
Foto: AP

O Isaac é o primeiro furacão a atingir terra firme nos Estados Unidos nesta temporada. Embora não seja tão forte quanto o Katrina - que era um furacão de categoria 3 quando atingiu Nova Orleans em 29 de agosto de 2005 - o Isaac, de categoria 1, ainda é um poderoso lembrete da vulnerabilidade da cidade.

O furacão vai ser o primeiro teste para as novas proteções contra enchentes de Nova Orleans, que custaram bilhões de dólares e foram construídas após o colapso dos diques que inundou grande parte das áreas baixas da cidade durante o Katrina.

O Centro Nacional de Furacões dos EUA advertiu na noite de terça-feira que os ventos de 130 km/h do Isaac estavam produzindo um aumento perigoso do nível das águas e que eram esperadas inundações devido às fortes chuvas. De acordo com a televisão americana NBC, 430 mil residências e comércios ficaram sem luz no Estado devido a passagem do Isaac.

O Isaac também vai testar a preparação das autoridades da cidade e de toda uma região, onde cerca de 1,8 mil pessoas morreram no furacão de 2005, no desastre natural mais grave da história dos EUA.

Autoridades desde o prefeito de Nova Orleans até o governador de Louisiana, Bobby Jindal, e o presidente dos EUA, Barack Obama, esforçaram-se para se adiantar ao impacto do furacão, conscientes dos problemas enfrentados com o Katrina.

O prefeito Mitch Landrieu garantiu aos moradores que, desta vez, "a cidade está segura", e disse que os serviços de emergência estão prontos para missões de busca e resgate. "Nós estamos no coração desta luta", afirmou Landrieu durante entrevista coletiva.

Obama exortou os moradores a tomarem precauções e se abrigarem, dizendo que agora "não era a hora de tentar a sorte." Ele emitiu declarações de emergência para Louisiana e Mississippi no início desta semana.

Produção de petróleo afetada
Embora só tenha alcançado a força de furacão na terça-feira, o Isaac matou pelo menos 23 pessoas e causou inundações e danos significativos no Haiti e na República Dominicana antes de contornar a ponta sul da Flórida, no domingo, e atravessar as águas quentes do Golfo do México.

O furacão poupou Tampa, na Flórida, onde a Convenção Nacional Republicana está sendo realizada, mas forçou os líderes do partido a abandonarem a maior parte do programa de segunda-feira, e a suavizarem o que alguns poderiam encarar como celebração em excesso sobre a nomeação presidencial de Mitt Romney no momento em que residentes da costa do Golfo enfrentam perigo.

As empresas de energia ao longo do centro de refino de petróleo na costa do Golfo prepararam-se para o impacto da tempestade, fechando algumas instalações e utilizando outras em menor escala antes de Isaac atingir o continente. A produção de petróleo dos EUA no Golfo do México foi praticamente totalmente paralisada em consequência do furacão.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade