0

George Clooney é preso em protesto na embaixada do Sudão

16 mar 2012
12h17
atualizado às 14h56

O ator americano George Clooney foi preso por desordem civil nesta sexta-feira durante um protesto em frente à embaixada sudanesa em Washington, nos Estados Unidos. Clooney fazia parte de uma manifestação que acusava o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, de provocar uma crise humanitária e impedir a chegada de alimentos à região de Nuba, na fronteira com o Sudão do Sul.

George Clooney foi conduzido a uma viatura policial após ser preso durante um protesto em Washington
George Clooney foi conduzido a uma viatura policial após ser preso durante um protesto em Washington
Foto: AP

George Clooney, assim como vários congressistas, ativistas e seu pai, o jornalista Nick Clooney, foi algemado e levado em uma patrulha da polícia após desobedecer a três avisos dados pelas autoridades para não atravessar a linha de segurança montada no perímetro da embaixada. O grupo de manifestantes exibia cartazes com os dizeres: "Sudão: Pare com as armas de fome em massa".

Antes de ser preso, ele chegou a conceder entrevistas à imprensa. Clooney disse que espera atrair mais atenção para a questão e se disse impressionado com o engajamento do presidente americano, Barack Obama, no assunto. O ator também disse que, se nenhuma ação for tomada nos próximos três ou quatro meses, ocorrerá um "verdadeiro desastre humanitário".

Clooney viajou recentemente ao Cordofão do Sul, um Estado do Sudão onde os combates entre o exército e os rebeldes favoráveis a uma anexação com o Sudão do Sul levaram a uma grave crise de fome. De volta aos Estados Unidos, Clooney acusou o governo de Cartum (capital sudanesa) de crimes de guerra, falando ante uma comissão do Senado.

Crítico de longa data do governo do Sudão pelo conflito separatista em Darfur, Clooney disse à comissão do Senado que o presidente Omar al-Bashir e seus colaboradores estão "provando ser os maiores criminosos de guerra deste século até o momento".

Clooney também é cofundador do organização Satellite Sentinel Project, que usa imagens de satélite para observar possíveis ataques aéreos e o movimento de tropas no Sudão e no Sudão do Sul.

O Sudão do Sul se tornou independente em julho do ano passado, depois de duas décadas de guerra civil. No entanto, outro conflito separatista explodiu pouco depois no Cordofão do Sul e perto do Estado de Nilo Azul, no qual Cartum combate contra os insurgentes, uma vez aliados aos ex-rebeldes que agora governam o Sudão do Sul.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade