2 eventos ao vivo

FBI entrevistou um de supostos co-autores dos atentados de Boston em 2011

20 abr 2013
14h19
atualizado às 14h25

O FBI entrevistou em 2011 Tamerlan Tsarnaev, suposto co-autor dos atentados de segunda-feira em Boston e morto na quinta-feira após um tiroteio com as autoridades, a pedido de um governo estranheiro para verificar se tinha vínculos com grupos extremistas, informaram neste sábado as redes "CBS" e "CNN".

Nessa entrevista, realizada a pedido de um governo estranheiro não identificado, a agência federal de investigações dos EUA (FBI) não encontrou nada que pudesse incriminar o jovem, de acordo com a "CBS".

O pedido foi baseado na informação sobre Tamerlan de que "era um seguidor islâmico radical e um forte crente", segundo o FBI, que diz também que o jovem "tinha mudado radicalmente desde 2010" e se preparava para sair dos EUA e "se unir a grupos clandestinos não específicos".

O jornal "Los Angeles Times" afirma, por sua vez, que foi a Rússia o país que fez o pedido de entrevistar Tamerlan.

Tamerlan, de 26 anos e suspeito junto com seu irmão Dzhokhar, de 19, de perpetrar os atentados da segunda-feira passada durante a maratona de Boston (Massachussets, EUA), deixou a universidade, estava desempregado e enfrentou uma acusação de violência doméstica em 2009, segundo publica hoje o jornal "The Boston Globe".

Allan, proprietário de uma academia onde Tamerlan costumava se exercitar, contou ao mesmo jornal que o jovem lhe apresentou uma vez a um americano chamado Brendan Mess, que foi descrito como seu melhor amigo.

Há dois anos, Mess e outros dois homens foram brutalmente assassinados em um apartamento em Waltham, perto de Boston. Seus corpos estavam degolados e cobertos de maconha e o crime segue sem ser desvendado, segundo o "The Boston Globe".

Registros de voos obtidos pela rede "NBC" indicam que Tamerlan esteve fora dos Estados Unidos durante seis meses em 2012 e saiu do país em um voo com destino a Moscou.

A captura de ontem a noite de Dzhokhar Tsarnaev, vivo embora gravemente ferido, é fundamental para o objetivo de esclarecer as várias incógnitas com relação aos atentados de Boston, que deixaram três mortos e mais de 170 feridos.

Dzhokhar Tsarnaev continua internado em um hospital de Boston, após ter sido detido na noite de ontem.

O jovem deu entrada no hospital sangrando e em estado grave, de acordo com a polícia de Massachusetts.

De origem checheno como seu irmão, Dzhokhar estava foragido desde quinta-feira pela noite, quando Tamerlan morreu após um tiroteio com as autoridades, e foi detido por volta das 20h45 local da sexta-feira (21h45, horário de Brasília).

Dois dias depois dos atentados, na quarta-feira, Dzhokhar esteve no campus da universidade onde estudava em Boston, foi ao ginásio e passou a noite em seu dormitório, publica hoje o "The Boston Globe".

O menor dos irmãos pode enfrentar acusações por terrorismo e por homicídio, segundo comentou à "CNN" um funcionário do Departamento de Justiça.

O FBI e a CIA preveem interrogar o suspeito sem dar por enquanto seus direitos básicos, fazendo uso de uma exceção nas normas da Justiça americana.

EFE   
publicidade