PUBLICIDADE

EUA: Senado fecha texto que permite ação militar de até 3 meses na Síria

Resolução permite ação militar sem tropas por terra de até 60 dias, podendo ser prorrogada por mais 1 mês

3 set 2013 21h51
| atualizado em 4/9/2013 às 00h50
ver comentários
Publicidade
Secretário de Defesa do EUA, Chuck Hagel, e o secretário de Estado, John Kerry, durante sessão do senado americano nesta terça-feira
Secretário de Defesa do EUA, Chuck Hagel, e o secretário de Estado, John Kerry, durante sessão do senado americano nesta terça-feira
Foto: AP

Os membros do Comitê de Relações Exteriores do Senado dos Estados Unidos chegaram a um acordo nesta terça-feira sobre o texto de uma nova resolução que autoriza o presidente Barack Obama a realizar uma ação militar contra o governo da Síria.

De acordo com o jornal Washington Post, a resolução permitirá até 60 dias de ação militar contra o governo do presidente sírio Bashar al-Assad e dá ao presidente Obama a opção de estender as operações militares em até 30 dias. A informação é de assessores do Senado.

A resolução também proíbe o envio de tropas dos Estados Unidos para a Síria, mas permitirá a implantação de uma pequena missão de resgate, no caso de emergência. O comitê prevê debater a partir desta quarta-feira a nova resolução.

"A comissão de Assuntos Exteriores do Senado elaborou uma autorização do uso da força militar que reflete a vontade e as preocupações de democratas e republicanos", anunciou seu presidente, o democrata Robert Menendez. A resolução "não autoriza o emprego de forças armadas americanas no terreno na Síria com o objetivo de operações de combate", e a intervenção deve ser "limitada", destaca o texto.

Se a proposta for aprovada pela comissão, será enviada ao plenário do Senado para votação após a volta dos senadores do recesso, em 9 de setembro.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu ao Congresso para autorizar a ação em resposta ao que o governo afirma ter sido um ataque com gás sarin pelo governo sírio, que matou mais de 1.400 pessoas, centenas deles crianças, perto de Damasco em 21 de agosto.

Obama embarcou nesta terça rumo à Suécia, seguindo depois para a Rússia, onde participará da cúpula do G-20 e defenderá seus planos de um ataque militar à Síria.

Com informações da Reuters e AFP

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade