2 eventos ao vivo

EUA inocentam cover de Elvis acusado de enviar carta envenenada para Obama

Paul Kevin Curtis foi libertado de uma prisão no Mississippi sob fiança nesta terça-feira

23 abr 2013
20h25
atualizado às 20h35
  • separator
  • 0
  • comentários

Promotores dos Estados Unidos retiraram, nesta terça-feira, as acusações contra um homem do Mississippi suspeito de enviar cartas com a substância letal ricina ao presidente americano, Barack Obama, e a um senador do país.

<p>Ao deixar a prisão nesta terça-feira, Curtis afirmou, emocionado, que respeita Obama e nunca faria mal a um funcionário público</p>
Ao deixar a prisão nesta terça-feira, Curtis afirmou, emocionado, que respeita Obama e nunca faria mal a um funcionário público
Foto: AP

A decisão foi tomada horas depois que Paul Kevin Curtis, o cover de Elvis acusado, foi libertado de uma prisão no Mississippi sob fiança. Em uma ordem judicial rejeitando as acusações, os promotores disseram que a "investigação em curso revelou novas informações", sem fornecer mais detalhes.

Em entrevista coletiva, Curtis afirmou que respeita Obama e nunca faria mal a um funcionário público. "Eu amo este país", disse ele. A libertação de Curtis, 45 anos, aconteceu logo depois que um juiz adiou indefinidamente uma audiência sobre sua prisão.

Christi McCoy, advogado de Curtis, disse à CNN que acredita que seu cliente tenha sido vítima de armação. O jornal Clarion Ledger informou que os policiais revistaram a casa de um segundo homem no Mississippi em conexão com o caso. Um porta-voz para a Procuradoria dos EUA em Oxford, Mississippi, não retornou as ligações para comentar o assunto.

"Eu acredito que alguém que era conhecido e está familiarizado com Kevin simplesmente pegou sua informação pessoal e fez isso com ele", disse McCoy à CNN. "É absolutamente horrível que alguém tenha feito isso."

Curtis foi detido na quarta-feira passada em sua casa em Corinto, Mississippi. Ele foi acusado de enviar cartas a Obama, ao senador por Mississippi Roger Wicker e a um juiz estadual que continham uma substância que preliminarmente testou positivo para ricina, um veneno altamente letal feito a partir de mamona.

As cartas foram interceptadas pelas autoridades antes de chegarem aos seus destinos. No fim de semana, os investigadores revistaram a casa de Curtis, seu veículo e a casa de sua ex-mulher, mas não conseguiram encontrar qualquer evidência incriminadora, afirmou a advogada ao Northeast Mississippi Daily Journal.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade