0

EUA deixarão algumas embaixadas fechadas por ameaça terrorista

4 ago 2013
18h43

Os EUA manterão fechadas durante toda semana algumas das 22 embaixadas e consulados que não abriram neste domingo perante a ameaça terrorista de um possível ataque da Al Qaeda, segundo anunciou o Departamento de Estado, que além disso acrescentou novas sedes diplomáticas na lista de alerta.

As sedes diplomáticas dos EUA na Jordânia, Egito, Catar, Kuwait e Líbia, entre outras, permanecerão fechadas até 10 de agosto e outras como as do Afeganistão, Iraque e Argélia reabrirão nesta segunda-feira e operarão normalmente.

O prolongamento do fechamento não tem a ver com "uma nova ameaça, simplesmente indica nosso compromisso em tomar precauções e as medidas adequadas para proteger nossos empregados", explicou o Departamento de Estado em comunicado.

Um total de 19 legações diplomáticas no Oriente Médio e África estarão fechadas desde amanhã até o próximo sábado.

Hoje, dia laboral no mundo muçulmano, estiveram fechadas 22 embaixadas e consulados, a maioria no Oriente Médio e no Norte da África.

O que vazou (informação) até agora sobre a ameaça é que está provavelmente vinculada à Al Qaeda na Península Arábica (AQAP), com sede no Iêmen, e que foi descoberta graças à intercepção de comunicações eletrônicas por parte da inteligência americana entre dirigentes da rede terrorista.

"Esta é a ameaça mais séria que vi nos últimos anos", indicou ao programa "Meet the Press", da rede "NBC", o senador republicano Saxby Chambliss, membro da Comissão de Inteligência do Senado dos EUA

As "conversas" captadas entre os terroristas "lembram muito o que vimos" antes dos atentados de 11 de setembro de 2001, detalhou Chambliss.

Junto ao fechamento sem precedentes de tantas instalações diplomáticas, o Departamento de Estado emitiu um alerta de viagem aos americanos, no qual adverte sobre possíveis ataques terroristas, especialmente no Oriente Médio e no Norte da África, e que podem ocorrer ou proceder da Península Arábica.

Esse alerta estará vigente até o final de agosto.

EFE   
publicidade