0

EUA confirmam abastecimento russo à base naval na Síria

19 jun 2012
17h12
atualizado às 19h44

Os Estados Unidos confirmaram nesta terça-feira que a Rússia enviará três navios e soldados para sua base naval em Tartus, na Síria, com o objetivo de manter suas operações no local e que não há indícios de que existam outros objetivos nesta ação.

"Não temos nenhuma indicação de que os navios e o material enviado para a Síria tenham outro propósito além do que o próprio Exército russo reconheceu, que é o abastecimento e a melhoria de suas forças militares", explicou hoje em entrevista coletiva o porta-voz do Pentágono, John Kirby.

A Rússia anunciou nesta segunda-feira que seus navios estavam prontos para zarpar para o porto de Tartus com o objetivo de "garantir a defesa dos interesses nacionais no país árabe".

"Entendemos que os russos estão se preparando para enviar um pequeno número de navios de guerra para oferecer um novo abastecimento e conseguir os propósitos de proteção de suas forças na base de Tartus", insistiu Kirby.

O porto sírio de Tartus, que abrigou uma base soviética durante a Guerra Fria, é atualmente um centro de manutenção e abastecimento para a frota russa do Mar Negro.

A base abriga cerca de 600 militares e técnicos do Ministério russo de Defesa e está sendo reabilitada para que cruzeiros e porta-aviões russos possam utilizá-la.

Por outro lado, um navio de carga com helicópteros militares de fabricação russa que se dirigia para a Síria foi interceptado hoje na costa escocesa, informou o ministério das Relações Exteriores do Reino Unido. O seguro da embarcação foi cancelado pelo Standard Club de Londres, o que impediu o prosseguimento da viagem.

Ao constatar a presença do cargueiro MV Alaed, quando o navio estava a cerca de 50 milhas (80,4 quilômetros) do litoral norte da Escócia, a seguradora britânica retirou a cobertura que o permitia navegar, pois a embarcação rompeu com a barreira que impede o transporte de armas para a Síria.

A porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland, disse que estava ciente do acontecido mas evitou dar maiores detalhes sobre a operação.

A intercepção da embarcação ocorreu menos de uma semana depois da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, acusar abertamente a Rússia de enviar helicópteros militares para a Síria e afirmar que Moscou mente quando assegura que sua venda de armas ao país não agrava o conflito.

EFE   
publicidade