0

EUA: cineasta de filme anti-Islã é identificado

13 set 2012
15h03
atualizado às 15h26
  • separator

Autoridades federais identificaram o homem responsável pela produção do filme anti-islâmico que causou revolta e diversos atos violentos contra representações diplomáticas dos Estados Unidos no mundo muçulmano. De acordo com o site do jornal New York Post, o homem foi identificado como Nakoula Basseley Nakoula, 55 anos, um cristão copta.

Veja imagens do polêmico filme anti-Islã
Origem de vídeo pivô de protestos é motivo de dúvidas e confusão
Filme polêmico põe EUA sob pressão no Egito, Líbia e Iêmen
Protestos, dia 1: egípcios rasgam bandeira dos EUA
Protestos, dia 2: embaixador dos EUA é morto na Líbia
Protestos, dia 3: embaixada dos EUA no Iêmen é cercada

Segundo o Post, um agente federal, que não quis ser identificado, disse que Nakoula era o homem por trás do filme Innocence of Muslims ("A Inocência dos Muçulmanos", na tradução livre). A obra denigre o islamismo e o profeta Maomé, o que causou uma onda de protestos no mundo muçulmano. No caso mais grave, o embaixador americano na Líbia, Chris Stevens, e outros três funcionários da legação diplomática foram mortos durante o ataque ao consulado do país em Benghazi.

Em entrevistas a meios de comunicação, o autor do filme tinha sido identificado como Sam Bacile, um corretor imobiliário israelense da Califórnia. No entanto, a agência AP descobriu que a alcunha se tratava de um nome falso ou pseudônimo após rastrear o número de celular usado por Bacile em uma entrevista por telefone. Na residência rastreada, em Cerritos, nos arredores de Los Angeles, eles encontraram Nakoula.

Ao ser contactado pela agência AP, Nakoula negou ser o homem identificado como Sam Bacile. Durante a conversa do lado de fora de sua residência com um repórter da AP, ele exibiu sua licença de motorista tentando esconder o seu nome do meio, Basseley. Posteriormente, a AP encontrou em sua investigação esse nome e outras conexões à figura de Bacile, que também foi o nome usado para postar o filme no YouTube.

Nakoula disse à agência AP ser cristão copta e que o diretor do filme compartilha a preocupação dos coptas - religião cristã originária no Egito - sobre o tratamento que eles recebem dos muçulmanos. Ele afirmou que gerenciou a parte de logística para a empresa que produziu o filme.

Nakoula foi condenado anteriormente pela justiça americana por crimes financeiros.

Repórteres e cinegrafistas se reúnem do lado de fora da residência de Nakoula Basseley Nakoula, em Cerritos
Repórteres e cinegrafistas se reúnem do lado de fora da residência de Nakoula Basseley Nakoula, em Cerritos
Foto: AP

Veja também:

A enfermeira que salvou três bebês de hospital atingido pela explosão em Beirute
Fonte: Terra
publicidade