PUBLICIDADE

No Colorado, tragédias recentes pautam discussão sobre armas

22 out 2012 10h45
Publicidade

Em 20 de junho de 2012, um atirador abriu fogo dentro de um cinema lotado na localidade de Aurora, no Estado do Colocado, durante a pré-estreia do filme Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge, matando 12 pessoas e ferindo outras 58. A tragédia voltou a colocar o Colorado no caminho das manchetes mundiais, posto que já tinha ocupado 13 anos antes com outro massacre, o de Columbine. Naquele 20 de abril de 1999, dois jovens atiradores também abriram fogo indiscriminadamente contra inocentes. Mataram 13 pessoas e se suicidaram

Imagem mostra o centro da cidade de Denver; massacre de junho reabriu a discussão sobre armas no Estado
Imagem mostra o centro da cidade de Denver; massacre de junho reabriu a discussão sobre armas no Estado
Foto: Getty Images

Especiais
Entenda o funcionamento do processo eleitoral americano
Acompanhe as pesquisas nos Swing States, os Estados decisivos
Nesta eleição, o assunto é a economia; entenda

Perfis dos candidatos
Barack Obama: do sonho do idealismo ao esforço do realismo
Romney e os republicanos: entre o favoritismo e o ceticismo

Ligando duas tragédias, a discussão sobre o porte de armas no Estado e no país. Em termos de legislação, o Colorado possui leis consideradas flexíveis, com seus moradores tendo a permissão para carregar armas, desde que tenham uma licença. Para conseguir a permissão, basta preencher formulários e pagar uma taxa de US$ 152,50. No entanto, apesar da notória facilidade para se adquirir armas ter sido alvo de críticas nas duas tragédias, o debate local sobre o tema normalmente acaba sem resultar mudanças efetivas devido ao intenso lobby de comerciantes de armas e associação de proprietários de armamentos.

Esta característica, cara aos republicanos, faz parte de um contexto em que o partido de Mitt Romney reinou por décadas no Colorado. Mas Barack Obama venceu as presidenciais no Estado em 2008, encerrando um ciclo de oito eleições consecutivas de vitórias republicanas. Na esteira de Obama, os democratas levaram, em 2010, as duas vagas do Colorado ao Senado e o governo local. Dessa vez, porém, as pesquisas apontam uma disputa aberta.

Com uma população pouco superior aos 5,1 milhões de habitantes (dados de 2011), o Colorado é o 22º Estado mais populoso do país, e garante ao candidato que vencer a corrida ali nove delegados no colégio eleitoral. Sua capital e maior cidade é Denver. O condado de Denver tem uma população de 619.968, é a 23ª maior região metropolitana do país.

Em termos étnicos, a maior parte dos habitantes locais é composta por brancos, 81,3% - sendo 70% não hispânicos. Apenas 4% são negros ou afro-americanos. As demais minorias não superam os 3%. Ao falar de religião, 64% se consideram cristãos (44% protestantes e 19% católicos), enquanto 25% dizem não ter religião. Nenhuma outra religião tem presença significativa. Uma maioria branca e protestante, em geral, é favorável a Romney.

Conhecido por estar em meio às Montanhas Rochosas, cordilheira mais famosa do país, o Colorado é um forte produtor agropecuário. Mas também tem setores estatal e industrial fortes. Abriga bases militares e agências governamentais é a casa de gigantes dos negócios, como a empresa de telecomunicações Qwest, a fabricante de malas Samsonite e a cervejaria Coors.

Os resultados econômicos apontam que o Estado está em uma boa posição em relação à média nacional, o que pode ser um ponto positivo para Obama. A renda per capita de (segundo dados do governo americano) foi de US$ 44.088, a 15º maior do país. Segundo estimativa federal, o produto estadual bruto (PEB) em 2012 será de US$ 274 bilhões e o Estado deve registrar crescimento econômico de 1,3% e criação de novos empregos na casa dos 1,6%, ambos indicativos modestos, mas ainda acima da média nacional.

Fonte: Terra
Publicidade