PUBLICIDADE

Histórico democrata não garante vitória de Obama em Wisconsin

22 out 2012 10h47
Publicidade

Apesar de Wisconsin ter sido ganho nas últimas seis eleições presidenciais pelo Partido Democrata, o Estado é considerado um Swing State pela apertada margem de vitória usualmente registrada. Uma exceção foi justamente a primeira eleição do atual presidente Barack Obama, em 2008, quando ele levou os 10 delegados estaduais com cerca de 14 pontos percentuais de vantagem sobre o republicano John McCain.

Wisconsin é sede da fabricante de motocicletas Harley-Davidson; uma das 500 maiores empresas do mundo
Wisconsin é sede da fabricante de motocicletas Harley-Davidson; uma das 500 maiores empresas do mundo
Foto: Getty Images

Especiais
Entenda o funcionamento do processo eleitoral americano
Acompanhe as pesquisas nos Swing States, os Estados decisivos
Nesta eleição, o assunto é a economia; entenda

Perfis dos candidatos
Barack Obama: do sonho do idealismo ao esforço do realismo
Romney e os republicanos: entre o favoritismo e o ceticismo

Este ano, pesquisas de opinião indicam que o Estado deve voltar a ter uma disputa. Como trunfo para vencer em Wisconsin, o republicano Mitt Romney conta com a escolha de seu candidato à vice-presidência, o congressista Paul Ryan, natural do Estado. Ryan é considerado uma das estrelas da ala mais conservadora do Partido Republicano e é o idealizador de uma proposta de cortes profundos nos gastos federais. Sua adesão à campanha de Romney ajudou a consolidar Wisconsin como um acirrado campo de batalha para o pleito de 2012.

O confronto entre democratas e republicanos já foi colocado à prova neste ano na eleição para o governo do Estado, convocada após o atual governador, o republicano Scott Walker - empossado em 2011 -, promover cortes nos direitos de servidores públicos e entrar em choque com sindicatos. Sindicalistas reuniram 900 mil assinaturas para que o novo pleito fosse realizado. Mas, apesar das duras críticas que sofreu em seu curto mandato, Walker bateu em junho o democrata Tom Barrett, prefeito de Milwaukee, por 54% a 45%, resultado que os republicanos esperam ver repetido no pleito nacional.

Winsconsin - nome derivado de um termo da língua nativa Algonquian utilizado para se referir à região na época do primeiro contato com exploradores europeus - está localizado nas regiões do Meio-Oeste e dos Grandes Lagos, colonizada inicialmente por franceses e que depois passou para o controle britânico. No início do século XIX, passou às mãos dos EUA, mas só se tornou o 30º Estado americano em 29 de maio de 1848, após uma série de conflitos.

Com 5,7 milhões de habitantes, Wisconsin é um Estado de maioria branca (86,6% são brancos, sendo 83,3% não hispânicos, de acordo com o censo de 2010). A expressiva maioria da população se considera cristã (80%). A grande singularidade do Estado em termos demográficos é o fato de que 42,6% de seus moradores têm origem alemã. O Estado também registra uma grande quantidade de descendentes de irlandeses (10,9%), poloneses (9,3%) e noruegueses (8,5%). Os descendentes de britânicos somam apenas 6,5%.

Assim como em outras partes do mundo, os descendentes alemães não falharam em deixar sua marca no Estado. Wisconsin é um dos grandes produtores de cerveja dos EUA. Milwaukee, sua maior e mais importante metrópole, chegou a ser a primeira cidade do mundo em termos de produção da bebida. Apesar de o setor local ter enfraquecido, a cidade ainda é sede da cervejaria Miller - a segunda maior do país - e o time local de beisebol, o Milwaukee Brewers (Cervejeiros, na tradução livre), leva no nome uma homenagem ao histórico da região.

Além da Miller, o Estado é sede de múltiplas das 500 maiores empresas do mundo, a mais famosa delas é a fabricante de motocicletas Harley-Davidson. O setor manufatureiro, aliás, é responsável por 20% - terceira maior proporção do país - do Produto Estadual Bruto (PEB), que em 2012 é projetado pelo governo federal para ser de US$263,1, milhões.

Fonte: Terra
Publicidade