0

Entenda como funciona a eleição presidencial nos Estados Unidos

Os eleitores dos Estados Unidos da América escolhem seu presidente a cada quatro anos. De modo geral, a votação é similar à que ocorre no Brasil: no dia das eleições, os eleitores vão às urnas e votam no candidato de sua escolha, de modo secreto.

Cédula eleitoral de 2008, com detalhe nas opções Obama/Biden e McCain/Palin para presidente e vice
Cédula eleitoral de 2008, com detalhe nas opções Obama/Biden e McCain/Palin para presidente e vice
Foto: AP

Há, entretanto, duas diferenças fundamentais. A primeira está na modalidade do voto, que, nos Estados Unidos, é facultativo. Ou seja: no dia das eleições, o cidadão pode ir ou não ir às urnas, sem com isso ter qualquer prejuízo ou precisar apresentar qualquer justificativa. Isso também implica um tipo diferente de campanha, na qual os candidatos precisam convencer os eleitores pouco mobilizados a participar das eleições.

A segunda diferença reside no caráter indireto das eleições americanas. Ao contrário do Brasil - onde a totalidade dos votos dos cidadãos é somada e, disso, concluído o vencedor do pleito - nos Estados Unidos o voto do eleitor não é creditado diretamente ao seu candidato. Os votos dos eleitores de cada Estado (ainda que dados para candidatos específicos) servem para eleger delegados no Colégio Eleitoral (Electoral College). São estes que representarão os eleitores de sua unidade federativa na escolha final do futuro presidente.

Desde 1954, o Colégio Eleitoral é composto de 538 assentos, dos quais pelo menos 270 votos (maioria mínima) são necessários para se decretar um vencedor.

Ocorre, no entanto, que, na maioria dos casos, a determinação final dos votos de cada Estado é absoluta, e não proporcional. Isto é: mesmo que o candidato X derrote o candidato Y no Estado W por 55% contra 45% dos votos válidos, X obterá todos os representantes de W, enquanto Y não levará nenhum ao Colégio Eleitoral. Esse sistema é conhecido como "The Winner Takes It All" ("O Vencedor Leva Tudo"). (Os únicos Estados em que se realiza uma contagem diferente são Maine e Nebraska.)

Soma-se a isso que cada Estado tem uma quantidade própria de representantes determinada proporcionalmente pelo tamanho de sua população. O sistema, assim, permite que, no final das eleições, Y obtenha mais votos totais que X e, mesmo assim, acabe derrotado no Colégio Eleitoral por ter perdido a disputa nos Estados mais populosos.

Isso ocorreu pela última vez em 2000, quando o democrata Al Gore enfrentou o republicano George W. Bush. Bush derrotou Gore no Colégio Eleitoral por 271 votos a 266, embora tenha perdido na soma geral (47,87% contra 48,38%, ou 500 mil votos a mais para o democrata). Foi a quarta vez que o fenômeno ocorreu em toda a história da democracia americana.

Estas características, aliadas ao alto grau de autonomia das leis eleitorais de cada Estado, fazem também com que o tempo em que o resultado das eleições é anunciado varie de ano a ano. Em 2000, devido às polêmicas das contagens na Flórida, o processo de contagem dos votos demorou mais de um mês. Já em 2008, devido à boa vantagem de Barack Obama em muitos Estados, o democrata já era o presidente eleito no final do dia da votação.

Para melhor entender as eleições americanas, é bom ainda também ter em mente que, além de tamanhos e pesos eleitorais distintos, os Estados americanos possuem perfis políticos diferentes, o que por vezes acaba por lhes conferir funções específicas nas eleições.

Os Estados americanos tendem a ter uma identidade política bem definida com um dos dois grandes partidos; isso ocorre, por exemplo, no Texas, que historicamente tem um voto republicano, independentemente dos candidatos em disputa. Contudo, há alguns Estados que podem tanto pender para um lado como para outro, como a Flórida. Estes Estados - "Swing States", como são chamados - tendem a atrair maior esforço e dinheiro de campanha e, em eleições bastante disputadas, geralmente são determinantes no resultado final.

As eleições ocorrem sempre na terça-feira seguinte à primeira segunda-feira do mês de novembro. Em 2012, será o dia 6 de novembro. O resultado será oficialmente anunciado no dia 17 de dezembro, e a posse do presidente eleito está marcada para 20 de janeiro.

Vale lembrar que, no plano oficial, há geralmente dezenas de nomes disputando as eleições; são diversos candidatos independentes, que correm por fora do sistema binário dos partidos Republicano e Democrata. Os independentes, no entanto, não têm chances reais de eleição e, por vezes, nem mesmo figuram nas cédulas eleitorais de todos os Estados.

Além da escolha do presidente e seu vice (cujos votos são indissociáveis), os eleitores também votarão, em 2012, para renovar um terço do Senado e para eleger os membros do 113º Congresso (Casa dos Representantes). Onze governos e diversos deputados estaduais também serão escolhidos.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade