publicidade
15 de dezembro de 2010 • 16h10 • atualizado às 16h39

Confira os principais dados publicados pelo WikiLeaks

 

A seguir um resumo das principais revelações feitas pelo site WikiLeaks tendo como base a troca de mensagens confidenciais de diplomatas americanos:

EUA monitoram relação nuclear entre Brasil e Irã
Os Estados Unidos estão atentos aos crescentes laços entre Brasil e Irã e suas implicações na área nuclear, revelam documentos diplomáticos americanos. Desde 2007 Washington investiga a possibilidade de incremento da produção de urânio na América Latina, especialmente na Venezuela e no Brasil, países que intensificaram suas relações com o Irã.

Brasil oculta cooperação antiterrorista com EUA
O Brasil ocultou do grande público uma cooperação antiterrorista com os Estados Unidos e nega oficialmente qualquer sugestão de que militantes islâmicos realizam atividades em seu território. O Brasil está preocupado com a atividade terrorista em seu território, apesar de publicamente fazer afirmações diferentes, destaca um telegrama da embaixada americana em Brasília ao Departamento de Estado em Washington com data de outubro de 2009.

As atividades de investigação antiterrorista Brasil-EUA são centradas em suspeitos em São Paulo e nas áreas de fronteira com Argentina, Paraguai, Peru, Colômbia e Venezuela.

Dom Cláudio Hummes: corrupção de José Dirceu prejudicou Lula
O cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo, atribuiu a ex-chefe de gabinete José Dirceu a série de escândalos de corrupção que abalou o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu primeiro mandato, segundo conversa com Christopher McMullen, cônsul-geral dos Estados Unidos na ocasião, segundo nota enviada em 14 de março de 2006.

De acordo com o religioso, José Dirceu prejudicou o governo Lula com sua ambição desenfreada por fortalecer o poder do Partido dos Trabalhadores.

EUA: Hugo Chávez é louco e nem o Brasil o leva a sério
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, está louco, segundo um vice-secretário americano, o conselheiro presidencial francês, Jean-David Lévitte. Segundo ele, nem mesmo o Brasil considera apoiar o suposto aliado e vizinho.

Celso Amorim: "Hugo Chávez late mais do que morde"
O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, afirma que Hugo Chávez "late mais do que morde", e que isolá-lo não é uma opção. A Venezuela poderia até representar ameaça para a região, mas seu isolamento não é uma solução, frisa Amorim, em mensagem confidencial que deixa às claras posições de políticos brasileiros em relação ao presidente Chávez, ao mesmo tempo em que evidenciam divergências entre Brasil e Estados Unidos sobre relações diplomáticas com a Venezuela de Chávez.

Amorim, afirma num arquivo datado de março de 2007 que "a orientação política de Hugo Chávez não é a do Brasil, e que os brasileiros não se sentem ameaçados por ele". Mas o ministro da Defesa Nélson Jobim tem visão bem diferente, percebendo sim a Venezuela como "nova ameaça" à estabilidade regional.

Sarkozy usa Carla Bruni para promover relações bilaterais com o Brasil
O presidente francês Nicolas Sarkozy usa a fama de sua mulher Carla Bruni para promover as relações bilaterais com o Brasil, segundo um telegrama enviado ao Departamento de Estado americano, com data de 17 de novembro de 2009. O embaixador dos Estados Unidos na França, Charles Rivkin, também diz que a relação entre Sarkozy e Lula é uma "história de amor".

Brasil recusou-se a receber os detidos de Guantánamo
O governo brasileiro rejeitou várias vezes, em 2005, acolher os detidos de Guantánamo, a pedido de Washington, que não queria trasladá-los a solo americano. Segundo as notas datadas de maio e outubro de 2005, o governo Bush viu-se confrontado, desde 2003, à decisão do Brasil de não receber os detidos e, mais particularmente, prisioneiros uigures - chineses muçulmanos que fugiram da China e que os Estados Unidos prenderam por erro no Afeganistão.

O governo Obama que conseguiu enviar dezenas de detidos aos países aliados, principalmente à Europa, nunca enviou nenhum deles ao Brasil.

França disposta a repassar a tecnologia do Rafale ao Brasil
A França está disposta a fornecer ao Brasil os códigos informáticos do avião de combate Rafale se este for comprado pelos brasileiros, afirma uma mensagem diplomática americana de novembro de 2009. Com o Rafale, jamais vendido até agora para o estrangeiro, a França espera descartar os aviões americano F/A-18 Super Hornet e o sueco Grippen, que também disputam o mercado brasileiro, afirma a mensagem.

EUA veem Tríplice Fronteira como foco terrorista
Um relatório da embaixada dos Estados Unidos em Brasília considera o governo brasileiro como um "aliado cooperador" na luta contra o terrorismo, mas aponta a região da Tríplice Fronteira como potencial foco de terroristas. Um documento de 1º de agosto de 2008 destaca a preocupação dos EUA com a possibilidade de que grupos terroristas aproveitem a falta de vigilância na zona de fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina para arrecadar fundos e organizar a logística de atentados.

Evo Morales teria tumor, mas governo desmente
Um documento divulgado pelo WikiLeaks da embaixada americana em Brasília revelou que o presidente boliviano tem ou teria um tumor nasal. Segundo um relatório de janeiro de 2009 da embaixada americana em Brasília ao Departamento de Estado, o ministro brasileiro da Defesa, Nelson Jobim, "confirmou um rumor de que Morales sofre de um sério tumor nasal".

EUA suspeitavam de sanidade de Cristina Kirchner
A diplomacia americana investigou em 2009 se a presidente argentina, Cristina Kirchner, tomava medicação para os "nervos ou estresse", revela um documento americano. O documento do departamento americano de Estado, com data de 31 de dezembro de 2009 e enviado à embaixada dos Estados Unidos em Buenos Aires, pede informações sobre o "estado mental e a saúde" de Cristina Kirchner, além de um perfil preciso sobre sua personalidade.

Uribe pensou em usar força para conter Chávez
O ex-presidente da Colômbia, Alvaro Uribe, contemplou a possibilidade de utilizar a força para conter o que considerava um projeto expansionista do venezuelano Hugo Chávez. "A melhor forma de enfrentar Chávez, segundo o ponto de vista de Uribe, continua sendo a ação, incluindo o uso da força militar", afirma uma nota da embaixada americana em Bogotá com data de 17 de janeiro de 2008, no qual se reporta um encontro entre o então presidente colombiano e o comandante do Estado-Maior conjunto dos Estados Unidos, Michael Mullen.

EUA viam Zelaya como 'adolescente rebelde'
Mensagens da diplomacia americana descrevem o então presidente hondurenho, Manuel Zelaya, como um "adolescente rebelde, errático e sinistro", que queria "enriquecer" e governava rodeado de gente ligada ao "crime organizado".

Telegramas enviados a Washington pelo então embaixador americano em Tegucigalpa, Charles Ford, meses antes do líder hondurenho ser derrubado por um golpe de Estado, em junho de 2009, informam que "existe um Zelaya sinistro, cercado por alguns assessores vinculados tanto à Venezuela e a Cuba quanto ao crime organizado".

Parceiros comerciais temem a insolvência de Cuba
Diplomatas dos principais parceiros comerciais de Cuba temem que a economia cubana entre em colapso no prazo de dois anos, revelam documentos da diplomacia americana divulgados pelo site WikiLeaks. A incapacidade cubana de enfrentar sua dívida externa e os efeitos da crise internacional poderão "ser fatais em dois ou três anos", estimam diplomatas de Brasil, China, Itália, Espanha, França, Canadá e Japão, citados em um relatório secreto dos Estados Unidos.

Ortega recebe dinheiro do narcotráfico e está louco
Mensagens diplomáticas americanas que afirmam que o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, se financia com dinheiro do narcotráfico internacional e de seu colega venezuelano Hugo Chávez, e que, além de tudo, está completamente louco. "Ortega e os sandinistas recebem dinheiro regularmente para financiar as campanhas eleitorais da FSLN (Frente Sandinista de Libertação Nacional, o partido no poder) de parte de traficantes internacionais de drogas".

René Preval tentou 'orquestrar' eleições no Haiti
O presidente do Haiti, René Preval, tentou orquestrar a transição política no Haiti e, assim, evitar ser forçado ao exílio, de acordo com um documento dos Estados Unidos. Preval, cujo mandato expira no início de 2011, expressou sua preocupação a autoridades do governo americano de que seu sucessor não permita que ele volte a sua vida privada no Haiti, de acordo com uma correspondência datada de junho de 2009 e assinada por Janet Sanderson, embaixadora de Washington, em Porto Príncipe na época.

Arábia Saudita está obcecada com o programa nuclear do Irã
O rei Abdullah da Arábia Saudita teria pedido aos Estados Unidos que atacassem o Irã para destruir o programa nuclear iraniano. O monarca saudita teria solicitado que os Estados Unidos "cortassem a cabeça da serpente" e afirmou que trabalhar com Washington para contrabalançar a influência iraniana no Iraque era "uma prioridade estratégica para o rei e seu governo".

Segundo outro documento, Israel teria pressionado os Estados Unidos a adotar uma posição mais firme com relação ao Irã em dezembro de 2009, ao afirmar que a estratégia americana de negociação com Teerã "não funcionava".

Aiatolá Khamenei sofre de câncer terminal
Um documento da diplomacia americana redigido em 2009 afirma que o guia supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, sofre de um câncer terminal. O documento foi enviado em agosto de 2009 pelo consulado dos Estados Unidos em Istambul, e está baseado em informações de um empresário ligado ao ex-presidente iraniano Akbar Hashemi Rafsandjani.

Khamenei tem uma forma rara de leucemia e "morrerá, muito provavelmente, em poucos meses", informa o documento.

EUA acreditam que há antissemitas entre membros do Vaticano
Os Estados Unidos acreditam que alguns membros da hierarquia do Vaticano têm posturas antissemitas. Um documento de 2002 indica que, "apesar do avanço real" operado pelo Papa João Paulo II nas relações do Vaticano com o judaísmo, alguns membros da hierarquia da Igreja ainda "manifestam resíduos de sentimentos antissemitas".

Vaticano não cooperou em investigação sobre padres pedófilos irlandeses
O Vaticano negou-se a cooperar em uma investigação irlandesa sobre abusos sexuais contra crianças por parte de sacerdotes de Dublin, porque o requerimento não foi feito pelos canais oficiais. Quando a comissão Murphy solicitou informações em 2009, "o Vaticano se ofendeu muito... porque viu isso como uma afronta à soberania" pontifícia, segundo um documento da embaixada dos Estados Unidos de 26 de fevereiro deste ano.

AFP AFP - Todos os direitos reservados. Está proibido todo tipo de reprodução sem autorização.