0

Cólera chegou ao Haiti por estrangeiro, diz estudo americano

9 dez 2010
14h49
atualizado às 15h08

A epidemia de cólera que se instalou no Haiti provavelmente foi desencadeada por uma pessoa de fora da região, destacou um estudo científico de médicos americanos e haitianos divulgado nesta quinta-feira.

O trabalho, publicado no New England Journal of Medicine, foi divulgado poucos dias depois que um epidemiólogo francês garantiu que a origem da epidemia era o acampamento nepalês dos Capacetes Azuis da Missão da ONU para a Estabilização do Haiti (Minustah).

Apesar de a conclusão destes investigadores não ser exatamente a mesma, seu relatório afirma que o tipo de bactéria provavelmente chegou proveniente do Sul da Ásia e não da América Latina ou do Caribe, e que tem similaridades com um tipo de cólera encontrado em Bangladesh nesta última década.

"Nossos dados sugerem fortemente que a epidemia haitiana começou com a introdução no Haiti, através da atividade humana, de um tipo de cólera de origem geográfica distante", explicou o professor da Escola de Medicina de Harvard Matthew Waldor.

Segundo Waldor, a análise realizada pela equipe "claramente distingue as cepas (de cólera) haitianas das que circulam na América Latina e na costa americana do Golfo do México". Além disso, o exame "descarta que (a bactéria) possa ter chegado do ambiente aquático local".

"A análise mostrou uma relação estreita entre as amostras haitianas e a sétima variante de cepa pandêmica isolada em Bangladesh em 2002 e 2008", acrescentou o estudo.

No entanto, os autores enfatizaram que são necessárias mais análises para poder identificar a origem precisa do surto de cólera no Haiti. Os rumores de que a doença teria chegado através de nepaleses geraram violentos incidentes, com várias pessoas linchadas por multidões enfurecidas.

De acordo com a investigação realizada no mês passado na ilha pelo renomado epidemiólogo francês Renaud Piarroux, a epidemia foi gerada por uma cepa importada e se estendeu a partir da base nepalesa.

Até outubro deste ano, fazia mais de um século que a cólera havia sido erradicada do Haiti, o país mais pobre da América que luta para se recompor após o terremoto de janeiro, que além de matar 250 mil pessoas, deixou 1,3 milhões de haitianos desabrigados em precárias condições de salubridade.

A cólera - particularmente letal para crianças e idosos - se desenvolve rapidamente assim que as bactérias chegam ao trato intestinal de uma pessoa, causando fortes diarreias e desidratação, podendo levar à morte em poucas horas.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade