0

Chanceler equatoriano revela pedido de asilo de Edward Snowden

23 jun 2013
15h04

O Governo do Equador recebeu uma solicitação de asilo por parte do ex-técnico da CIA Edward Snowden, informou neste domingo o chanceler Ricardo Patiño em sua conta no Twitter.

"O Governo do Equador recebeu solicitação de asilo por parte de Edward #Snowden", escreveu Patiño.

Patiño, que se encontra no Vietnã, não deu mais informações sobre a solicitação feita ao Governo do Equador, país que no ano passado concedeu asilo ao fundador do Wikileaks, o australiano Julian Assange, que está na embaixada do país sul-americano em Londres desde então.

O chanceler fez um acordo na segunda-feira passada em Londres com seu colega britânico, William Hague, para criar uma comissão conjunta de juristas com a qual pretende conseguir um salvo-conduto que permita que Assange viaje ao Equador.

Desde a Rússia foi informado hoje que o avião procedente de Hong Kong no qual supostamente viajava Snowden, acusado de espionagem nos EUA, aterrisou em Moscou, suposta escala em seu caminho rumo a um "país democrático", segundo declarou hoje o Wikileaks, em meio ao silêncio oficial russo.

"O passageiro Edward Snowden não só se registrou para o voo, mas é absolutamente certo que se encontra a bordo do avião. Ele consta na lista de embarque" em Hong Kong, informou uma fonte da agência "Interfax".

A imprensa russa afirmou que o ex-técnico da CIA e ex-contratado externo da Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA) teria optado por uma rota complexa com a esperança de não ser detido e poder chegar a seu destino final que, a princípio, diziam ser Caracas.

No entanto, outros observadores também falavam de outros possíveis destinos finais do périplo de Snowden, como a Islância e o Equador.

Por sua vez, o Governo dos EUA afirmou que buscará cooperação policial dos países que possam receber Snowden.

"Continuaremos discutindo este assunto com Hong Kong e buscaremos a cooperação policial relevante de outros países para onde Snowden possa tentar viajar ", declarou Nanda Chitre, porta-voz do Departamento de Justiça dos EUA.

Chitre explicou que o Governo dos Estados Unidos foi informado pelas autoridades de Hong Kong que o "senhor Snowden saiu de Hong Kong rumo a um terceiro país", sem dar mais detalhes a respeito.

Washington tinha solicitado a Hong Kong a extradição de Snowden com base na queixa criminal divulgada na sexta-feira em um tribunal do Distrito leste da Virgínia, e conforme o acordo entre EUA e Hong Kong para a Entrega de Fugitivos.

Porém, as autoridades do Governo de Hong Kong indicaram que a solicitação dos Estados Unidos "não cumpriu plenamente com os requisitos legais sob a lei de Hong Kong" e pediram mais informações ao Governo americano para determinar se existiar uma base legal para impedir a saída de Snowden.

O Wikileaks disse em sua conta no Twitter que ajudou Snowden a sair e buscar "asilo político em um país democrático", mas não está claro qual é seu destino final.

Snowden admitiu que divulgou detalhes de programas de vigilância secretos, mas negou ser um "traidor".

EFE   
publicidade