5 eventos ao vivo

Bombas de Boston foram detonadas por controle de carro de brinquedo

24 abr 2013
21h58
atualizado às 22h31
  • separator
  • 0
  • comentários

As duas bombas que explodiram na Maratona de Boston, matando três pessoas e ferindo 264, foram detonadas com um tipo de dispositivo remoto utilizado para controlar um carro de brinquedo, disseram investigadores norte-americanos a uma comissão da Câmara dos Deputados dos EUA, nesta quarta-feira.

"Foi um controle remoto para carros de brinquedo", disse a jornalistas o deputado Dutch Ruppersberger, líder democrata no Comitê de Inteligência da Casa, depois que funcionários do Departamento de Segurança Interna, do FBI e do Centro Nacional de Contraterrorismo prestaram informações ao comitê. "O que me diz, e o irmão número dois tem dito, que eles tiveram as informações sobre como construir a bomba na revista Inspire", acrescentou Ruppersberger.

A Inspire foi criada pelo pregador americano-iemenita Anwar al-Awlaki, líder da filial da Al Qaeda no Iêmen que foi morto em um ataque de drones dos EUA. Ruppersberger disse que o artigo sobre a construção da bomba na Inspire tinha como manchete: "Como construir uma bomba na cozinha da sua mãe".

A polícia diz que dois irmãos, Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev, plantaram e detonaram duas bombas feitas com panelas de pressão perto da linha de chegada da Maratona de Boston, em 15 de abril. Tamerlan Tsarnaev, de 26 anos, foi morto em um tiroteio com a polícia. Dzhokhar Tsarnaev, de 19 anos, encontra-se ferido em um hospital de Boston e tem fornecido algumas informações às autoridades.

Ruppersberger confirmou também que pelo menos alguns dos explosivos usados no ataque vieram de uma loja de fogos de artifício em New Hampshire. "Um dos irmãos, o irmão mais velho, foi a uma loja em New Hampshire ... e pediu os explosivos mais potentes", disse Ruppersberger.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade