PUBLICIDADE

Autor de atrocidade racista em 1964 morre na prisão nos EUA

3 ago 2011 19h02
Publicidade

James Ford Seale, membro da organização racista Ku Klux Klan e autor de um dos atos mais violentos da segregação social no sul dos Estados Unidos na década de 1960, morreu nesta terça-feira na prisão de Terre Haute, em Indiana. O homem de 76 anos, condenado à perpétua em 2007 por sequestro e conspiração, é um dos responsáveis pela morte de dois adolescentes negros em 1964. As informações são do jornal britânico The Guardian.

Membro da KKK, James Ford Seale, 76 anos, participou dos assassinatos violentos de dois adolescentes negros em 1964
Membro da KKK, James Ford Seale, 76 anos, participou dos assassinatos violentos de dois adolescentes negros em 1964
Foto: AP

Na época, os jovens Charles Eddie Moore e Henry Hezekiah Dee, ambos de 19 anos, participavam de movimentos pelos direitos civis que reivindicavam o voto livre para os negros. Eles foram sequestrados por Seale e outros membros da Ku Klux Klan e levados a uma floresta, onde foram espancados com varas.

Depois, foram jogados no porta-malas de um carro e conduzidos até o rio Mississipi, entre os Estados de Louisiana e Mississipi, onde foram jogados vivos, com blocos pesados presos ao corpo.

Somente em 2000, quando o jornal Clarion Ledger lançou uma investigação sobre o assassinato dos adolescentes, é que o assunto voltou a ter destaque. Ainda assim, demoraram sete anos para que James Ford Seale fosse finalmente condenado 43 anos após o crime.

Cerca de 122 assassinatos - um terço do que aconteceu em Mississippi - ainda permanecem impunes. Há cinco anos, o FBI criou uma unidade especial para investigar as mortes por segregação racial, mas admitiu que perdeu 60 deles até agora. Segundo a agência federal, a tarefa é cada vez mais difícil porque suspeitos e testemunhas-chave morrem a cada mês.

Fonte: Terra
Publicidade