Estados Unidos

publicidade
02 de fevereiro de 2013 • 15h55 • atualizado às 16h29

Após polêmica, Casa Branca divulga foto de Obama praticando tiro

Presidente dos EUA, Barack Obama, pratica tiro ao prato em Camp David no dia do seu aniversário em 4 de agosto de 2012
Foto: EFE
 

A Casa Branca divulgou neste sábado uma foto do presidente dos EUA, Barack Obama, praticando tiro ao prato na residência de descanso de Camp David, depois de vários conservadores questionarem a veracidade de declarações feitas pelo líder com relação a esse assunto. A imagem foi tirada pelo fotógrafo oficial da Casa Branca, Pete Souza, em Camp David, em 4 de agosto, dia do aniversário do presidente.

 Na fotografia, é possível ver Obama disparando com uma escopeta e vestido com abafadores e óculos escuros. Em uma entrevista à revistaNew Republic, Obama contou que na residência presidencial de descanso de Cam David (Maryland), pratica tiro ao prato às vezes, nunca com suas filhas, mas com os convidados que recebe no local.

"Tenho um profundo respeito pelas tradições de caça", disse o líder dos EUA durante a entrevista ao falar do debate aberto no país sobre armas e de seus esforços para conseguir um maior controle de venda e posse. Segundo Obama, "é comum os pais darem espingardas para os filhos quando eles completam cerca de 10 anos e levarem para eles sair com os tios. Isso se transformou em parte das tradições familiares, é fácil ver porque querem proteger isso".

Meios de imprensa conservadores e congressistas como Marsha Blackburn, republicana pelo Tennesse, questionaram a veracidade das declarações do presidente. "Se Obama pratica tiro ao prato, porque nunca ouvimos falar disso? Por que não vimos fotos?", perguntou a legisladora.

O porta-voz de Obama, Jay Carney, disse que não sabe com qual frequência o líder pratica tiro ao prato em Camp David e a Casa Branca também não deu mais detalhes sobre o assunto.

Dentro de debate gerado após o tiroteio em dezembro em Newtown, onde Adam Lanza matou 20 crianças e seis adultos em uma escola após assassinar sua mãe antes de sair de casa, Obama sublinhou seu respeito à Segunda Emenda da Constituição, que protege o direito dos americanos de possuir armas.

Porém, ao contrário, desenhou um plano para reduzir a violência causada pelas armas e está pedindo ao Congresso a aprovar leis para restringir o acesso e a disponibilidade de armas de assalta e carregadores de alta capacidade, assim como para assegurar um sistema universal de verificação de antecedentes criminais.

EFE