0

Acusações contra suspeito de enviar ricina a Obama são retiradas

23 abr 2013
21h04
atualizado às 21h16

As acusações contra Paul Kevin Curtis, suspeito de ter enviado cartas com ricina ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a um senador americano, foram retiradas nesta terça-feira por falta de provas.

O documento no qual consta a retirada das acusações foi apresentado hoje para que Curtis fosse colocado em liberdade.

O texto, assinado pela promotora federal no Mississipi Felicia Adams, acrescenta que a investigação em curso revelou uma informação nova, mas não especifica os novos dados que foram encontrados.

Um agente do FBI testemunhou que não foram encontradas provas na casa de Curtis sobre o envio de ricina, uma substância que pode causar a morte se for inalada.

Curtis, em entrevista coletiva com seus advogados, agradeceu por ter sido liberado e os advogados afirmaram que desde o princípio tinham consciência de que "não havia a mínima evidência" de que o cliente era culpado.

"Não sou um criminoso, só quero continuar com minha vida. Sem câmeras, sem telefones", ressaltou Curtis.

"Respeito o presidente Obama e amo meu país, nunca faria nada contra nós", acrescentou.

"As buscas foram concluídas e não foi encontrado nem um só elemento que evidencie que Kevin poderia ter feito isto", disse o advogado Christi McCoy.

McCoy afirmou hoje que outro vizinho de Tupelo, a mesma cidade de Curtis, um tal de Everett Dutschke, fez uma armadilha para que Kevin fosse acusado, embora ainda não houve nenhum comentário oficial com relação a isso.

Curtis foi acusado de ameaçar "o presidente dos EUA", segundo informou então o Departamento de Justiça.

Segundo as autoridades, Curtis, um imitador de Elvis Presley, tinha enviado as cartas para Obama e para um senador republicano pelo Mississipi, Roger Wicker, em 8 de abril, desde Memphis (Tennessee), a cidade onde morreu o "rei do rock".

Curtis foi detido na quarta-feira pelo FBI e a polícia local em Corinth, muito perto de Tupelo (Mississipi), a cidade natal de seu ídolo.

Sua família assegurou que Curtis foi diagnosticado com um transtorno bipolar e que se nega a tomar remédios.

Precisamente hoje, o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, comunicou que houve outro registro sobre a presença de ricinina em uma base aérea em Washington.

Em declarações aos jornalistas no Capitólio, Reid disse que foi informado pelas autoridades do novo incidente com a ricinina, mas não deu mais detalhes.

"Me informam que tivemos outro incidente hoje na Base Aérea Bolling. A mesma substância (ricinina)", disse Reid.

A conta no Twitter da base militar, rebatizada como Joint Base Anacostia-Bolling, indica que "está sendo investigado um possível material perigoso" e a avenida Brookley foi fechada para a segurança das equipes de emergência.

EFE   
publicidade